Login  Recuperar
Password
  19 de Outubro de 2021
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Opinião
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Crónicas noturnas

A lei do menor esforço

Quando leio os meus autores maiores Pessoa, Durrell, Márai...o verbo torrencial de Raduan Nassar, fico sem chama para seguir com estas crónicas, manta de retalhos, falsa partida para o romance que nunca escrevi.

16-02-2021 | Jorge Ferreira

Peça de Maria dos Cacos (colecção particular)
[+] Fotos
Peça de Maria dos Cacos (colecção particular)
O que me faz persistir é uma voz amiga que me diz sempre: escreve, ficará alguma coisa do que vivemos, as aventuras da cerâmica e as outras.
Chego a invejar os autores menores, porque conseguem escrever ficção, chegar ao seu fim.
Nem o livro sobre Cerâmica das Caldas que se intitularia: De Dona Maria dos Cacos a Ferreira da Silva, será concluído.
Os textos apenas precisariam de correções e acrescentos, mas, por razões de agenda, os necessários complementos de imagem, fotografias das peças e respectivas marcas, não estarão disponíveis.
Mesmo assim, não resisto a incluir neste preâmbulo o prefácio que tinha preparado para o efeito.

De Dona Maria dos Cacos a Ferreira da Silva

Ter nascido no quarto número seis do Montepio Rainha D. Leonor, nas Caldas da Rainha, no final da tarde do dia 2 de Setembro de 1953, foi a razão primeira.
Ter crescido na rua da Liberdade, entre a farmácia, as lojas das louças e as pastelarias, também ajudou.
Mais de meio século depois destes primeiros passos, falo sobre a obra de gente criativa da minha terra, que soube transformar o barro em arte que espalhou pelo mundo.
Escrevo com paixão de colecionador, para recordar a fabulosa saga da Louça das Caldas.
Detetado o interesse, nacional e internacional, pelo tema, impôs-se-me esta tentativa esforçada, modesto contributo para a "estória" desta produção, na ausência de dados sobre "todos" os fabricantes (em especial os menos conhecidos: de Manuel Mafra e Rafael Bordalo Pinheiro sabe-se muito...felizmente!).
Apesar das pesquisas em arquivos nacionais e municipais, são reconhecidas as lacunas sobre a biografia dos ceramistas, respetivas marcas, localização de lojas e oficinas, caraterização das matérias-primas utilizadas: barros, engobes, corantes, vidrados...tantas coisas que eu não sei.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar