Login  Recuperar
Password
  17 de Julho de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Caldas da Rainha, Educação
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

A minha vida de universitário

O JORNAL DAS CALDAS recolheu as histórias de treze jovens que acabaram ou estão a concluir os estudos universitários.

14-06-2016 |

Carolina Neves no que descreve ser “um milagroso dia de sol em Londres”
Carolina Neves no que descreve ser “um milagroso dia de sol em Londres”
Pedimos que transmitissem como foi ou tem sido a vida de estudante distante (uns mais do que outros) da área de residência, como foi a experiência, os desafios, as dificuldades iniciais e como se tornou mais fácil. Também quisemos perceber que respostas de alojamento tiveram e como geriram despesas com casa, transporte, alimentação e custos da universidade. Por último, deixaram conselhos para os futuros universitários.


Carolina Neves, 19 anos, Caldas da Rainha

“Estudar no estrangeiro era um grande sonho e fui para Inglaterra”

Vivo em Harlow, em Inglaterra, e estudo na Anglia Ruskin University a tirar o curso de jornalismo, o qual já terminei o primeiro de três anos de licenciatura.
Quando acabei o ensino secundário não sabia que universidade escolher. Eram tantas as opções. Igualmente sentia que existia muita pressão para ir para a universidade, algo que me deixava ainda mais 'perdida' e confusa, até que fui à Futurália [Feira de Educação e Formação na FIL, em Lisboa] e conheci a Ok Estudante, uma empresa que ajuda os estudantes portugueses a estudarem em Inglaterra, e foi um clique na minha cabeça - era exatamente aquilo que queria fazer. No entanto, ainda fiquei um ano em Portugal a ganhar experiência na área de jornalismo para ter a certeza que era o que queria seguir.
Estudar no estrangeiro sempre foi um grande sonho meu. Adoro Portugal, mas sempre tive aquele bichinho de querer conhecer mais e explorar novos lugares e culturas. Ao mesmo tempo, queria desafiar-me, crescer como pessoa e ser mais independente. Não vou mentir, estava nervosa e com medo deste novo passo...era deixar tudo o que conhecia, a minha zona de conforto, a minha família, os meus amigos, o 'meu' mar, e, claro, a comida da minha avó!
O entusiasmo e a força de vontade foram maiores e tive coragem para dar este passo. A experiência tem sido positiva. Ao ter universidade dois dias por semana tenho tempo para ter trabalho, estudar e para sair com os amigos, o que em Portugal seria quase impossível fazer.
Ao mesmo tempo, existem dificuldades...às vezes as saudades apertam, assim do nada, do cheiro do mar, de pegar no carro e em dez minutos estar na Foz do Arelho, da bela comida portuguesa, do café, da cerveja, da minha família e dos meus amigos.

Alojamento e despesas:
Vim para Inglaterra para ficar numa residência de estudantes, mas tornou-se dispendiosa muito rapidamente e tentei procurar outro lugar para ficar. Neste momento, estou a viver numa casa partilhada com dois senhores de idade, as pessoas mais simpáticas que conheci aqui, estou a adorar e como sou estudante a renda não é tão alta porque eles entendem que tenho outras despesas. Ao estar a viver perto da cidade, não costumo pagar transportes públicos e ando para todo o lado, assim poupo nesse aspeto. No que toca a alimentação, gasto só o que preciso (estando nessa lista um chocolate ou outro) e de vez em quando vou sair com os meus amigos e gasto um pouco mais.
Em termos de custos de universidade, ainda não tive de pagar nada pois as propinas são financiadas pelo governo britânico, só após ter terminado o curso é que começo a devolver o financiamento a partir do momento que ganhe um salário anual superior a 21 mil libras [mais de 26 mil euros]. Mesmo assim, é só 10% do salário mensal que se tem de pagar, penso eu.

Conselhos para futuros universitários:
Se não estás seguro do que queres, tira um tempo para ti, faz voluntariado, tenta perceber qual é a tua paixão e segue-a. Não caias na expetativa da sociedade de teres de saltar logo para a universidade, segue o que queres e se precisares de tempo para ti não tenhas medo em tirá-lo. Ao mesmo tempo, não tenhas medo de sair da tua área de conforto, há tanto pela frente, aventura-te e abre os teus horizontes.
Se quiseres vir para o Reino Unido traz um casaco quentinho. Boa sorte!

Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar