Login  Recuperar
Password
  5 de Dezembro de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Opinião
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Carolina Couto: Uma alma grande demais

Lembro-me bem do dia em que, no verão quente de 2006, ela entrou na livraria Martins Fontes Portugal, nas Caldas da Rainha. Não a reconheci de imediato, foi a voz que a denunciou.

23-10-2019 | Isabel Alves Pinto

Carolina Couto, estudante da Benedita, faleceu num atropelamento em Praga, na República Checa
Carolina Couto, estudante da Benedita, faleceu num atropelamento em Praga, na República Checa
Num tom certeiro e seguro, de quem gosta de se fazer ouvir quando fala, pergunta qualquer coisa a uma das funcionárias. Apesar das mudanças físicas que a passagem do tempo (embora pouco) nos incrustou, não tive dúvidas. Tratava-se da Helena.
Tínhamos sido colegas na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Por uma questão de ordem alfabética, encontrávamo-nos frequentemente nas provas orais. Mantínhamos, na altura, uma relação de respeito e de cordialidade, mas não éramos chegadas.
Após o término da licenciatura, ainda fizemos juntas, em 1995, em Coimbra, a primeira parte de estágio em advocacia. Depois, deixei de a ver.
Apesar de nos tempos da faculdade não termos sido próximas, não integrarmos o mesmo grupo de amigos, e não revelássemos os mesmos interesses, sempre a guardei na memória, e no coração, como sendo uma boa pessoa. Foi por isso que, 11 anos mais tarde, fiquei tão feliz por a ter reencontrado.
Helena estava casada e tinha duas filhas, uma com 8, outra com 5 maravilhosos aninhos. A Carolina e a Rita, duas pequenas princesas que gostavam de ler.
Tornámo-nos, a partir daí, verdadeiras amigas e confidentes, daquelas com quem reciprocamente se pode contar.
As crianças foram crescendo, e, algumas vezes por contato direto, outras através de longas conversas telefónicas - que entravam pela noite dentro - com a minha querida Helena, sempre acompanhei os seus percursos pessoais e académicos.
Já estavam ambas na faculdade e a mais velha, finalista, iria no início do ano letivo estudar para Praga no âmbito do programa Erasmus. Estas eram as notícias mais recentes.
Na semana passada, em data que apaguei da lembrança, ouço ao meu lado um murmúrio que diz: Passa-se alguma coisa com a Helena!
Levanto-me e pergunto: Como assim...?
A resposta veio rápida, impensável, imprevisível, improvável, como uma pedrada que nos atordoa e arrasa: A Carolina morreu!
Dizem-me agora que a Carolina partiu porque era grande demais, a sua alma era gigante e não cabia no seu corpo. Eu acredito, e faço-o não só porque me conforta, mas porque a realidade não o desmente.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar