Login  Recuperar
Password
  16 de Novembro de 2018
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Escolhas do Editor, Sociedade, Caldas da Rainha
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

37º aniversário da Escola de Sargentos do Exército

Curso Técnico Superior Profissional em 2018/2019

A prioridade da Escola de Sargentos do Exército (ESE), nas Caldas da Rainha, para o ano letivo de 2018/2019, é a implementação, como projeto piloto, do plano de estudos proposto para o Curso Técnico Superior Profissional de Sargentos. A revelação foi feita na passada sexta-feira pelo comandante da unidade militar, coronel Lino Gonçalves, que vai terminar a sua missão na escola, indo para uma zona de conflito em África, como revelou o chefe do Estado-Maior do Exército, general Rovisco Duarte, que participou nas comemorações do 37.º aniversário da ESE, que decorreram no Parque D. Carlos I.

06-06-2018 | Francisco Gomes

Cerimónia no Parque
[+] Fotos
Cerimónia no Parque
Cumpriram-se na passada sexta-feira os 37 anos desde que foi criada a ESE, após a extinção do então Regimento de Infantaria de Caldas da Rainha que, por sua vez, tinha já sucedido ao Centro de Instrução do Quadro de Complemento e ao Regimento de Infantaria 5 (RI5).
O RI 5 ocupou, desde 26 de maio de 1918, as instalações dos Pavilhões do Parque, edifício emblemático de Caldas da Rainha, até à sua mudança para as atuais instalações, em 5 de junho de 1953. O local onde se realizou a cerimónia de aniversário – o chamado “Parque das Bicicletas” (por cima dos courts de ténis) - constituiu a parada do regimento, pelo menos numa fase inicial, como comprova um documento fotográfico exibido durante o seminário “Cem anos do Armistício da Grande Guerra e de presença militar em Caldas da Rainha”, evento que decorreu no Centro Cultural e de Congressos no dia 18 de abril. Foi nesse sentido que, com a colaboração da Câmara Municipal de Caldas da Rainha e da União das Freguesias de Nossa Senhora do Pópulo, Coto e São Gregório, foram assinalados, nesse mesmo local, os cem anos da instalação do RI 5 no Parque D. Carlos I e, por via disso, do centenário da presença militar nesta cidade.
O comandante da ESE começou por agradecer à cidade “o excelente acolhimento proporcionado aos militares do Exército durante este longo período, facto que não surpreende, atendendo ao epíteto de ‘cidade hospitaleira’ que a mesma ostenta desde longa data”.
Fazendo um breve balanço das atividades durante o ano que decorreu, recordou que foram ministradas as partes gerais dos dois cursos de formação inicial de sargentos (um destinado ao quadro permanente e duas edições por ano do referente aos militares em regime de voluntariado ou de contrato). Ao nível da formação ao longo da carreira, foram executados cinco cursos de promoção, o que representou um total de 935 formandos desde 1 de junho de 2017.
No âmbito de outra das linhas de ação, que visa afirmar a ESE como uma escola de liderança, no dia 21 de junho a ESE vai organizar a II Edição do Seminário “Liderança de Pequenas Equipas: um desafio para o futuro”.
Destaque ainda para um projeto de uniforme avançado de combate, que conta com a participação do Citeve - Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal, o INEGI - Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, e duas empresas do sector têxtil e do vestuário, a Riopele – Têxteis, S.A. e a Damel – Confeção de Vestuário, Lda.
Foram feitos testes de fiabilidade de militares da Brigada Mecanizada, da Brigada de Intervenção, da Brigada de Reação Rápida e da Escola das Armas. No total estiveram envolvidos 1439 militares, incluindo um oficial e um sargento do exército dos EUA, para além, dos alunos da ESE. O projeto encontra-se na fase final, com todos os testes efetuados, podendo já ser apresentado o protótipo final.
No que respeita ao Centro de Línguas do Exército, o mesmo tem vindo a incrementar a sua atividade, tendo conduzido programas intensivos de aperfeiçoamento linguístico a 68 alunos e efetuados 802 testes de aferição nas suas instalações.
No âmbito das tarefas relacionadas com missões de apoio ao desenvolvimento e bem-estar da população portuguesa, foram levados a cabo diversos apoios, salientando-se a participação de militares da ESE em tarefas de patrulhamento, rescaldo e vigilância pós-incêndio florestal, nas regiões de Góis, Mação, Resende e Marinha Grande.
No que concerne às infraestruturas militares, procedeu-se, durante o último ano, para além de diversas melhorias, à requalificação do espaço florestal adjacente ao quartel, mediante projeto aprovado pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, contribuindo-se, deste modo, para a redução do risco de incêndio. Para o corrente ano está prevista a renovação de toda a rede geral de abastecimento de água do quartel.

Comandante de saída

“Quando assumi, em 18 de julho de 2016, o honroso cargo de comandante, confesso que, apesar de todo o trabalho prévio de preparação para o exercício do mesmo, não estava à espera de encontrar uma atividade tão intensa e desafiante”, admitiu Lino Gonçalves, anunciando que “muito brevemente passarei a desempenhar outras funções”. Segundo revelou o chefe do Estado-Maior do Exército, o comandante vai ter uma missão na República Centro-Africana.
O general Rovisco Duarte disse ser “com orgulho” que presidiu às celebrações da “casa-mãe do sargento”, elogiando o “elevado profissionalismo, competência e dedicação de todos os que servem nesta casa”, que se assume “como um elemento fundamental da formação”.
“Sendo o Exército uma instituição hierarquizada, o sargento é uma pedra basilar da cadeia de comando”, frisou.
Sobre o Curso Técnico Superior Profissional de Sargentos, explicou que se pretende “valorizar os recursos humanos”, adiantando que se aguarda a criação da unidade politécnica militar e a publicação do decreto-lei que irá definir a sua orgânica e a portaria que regulamentará a formação definida.
Aos alunos da ESE deixou ainda uma mensagem: “O caminho que escolheram não é conhecido por ser fácil ou por proporcionar riqueza material. É uma profissão de elevada exigência, onde se abdica de interesses individuais em favor do coletivo, e que se rege por valores intemporais, como o patriotismo, sentido de honra, ética e rigor”.
As cerimónias incluíram, entre outros eventos, a inauguração da Rua 1.º Sargento José Gomes de Carvalho, no aquartelamento da ESE, e uma exposição de “História Militar” e sobre o projeto I&D “Advanced Combat Uniform”
(uniforme avançado de combate), no Céu de Vidro, no Parque D. Carlos I. Houve também uma atuação da Banda do Exército e uma demonstração de atividades militares pelos alunos do 46.º Curso de Formação de Sargentos.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar