Login  Recuperar
Password
  21 de Janeiro de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Regional
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Desfile de domingo na Nazaré acompanhado por mar de gente

Milhares de pessoas acompanharam o desfile de carnaval de domingo na avenida marginal da praia da Nazaré, que se apresentou com o lema “Ná Pai Pá Gente”, uma expressão típica que significa algo como “somos os maiores”.

15-02-2018 | Francisco Gomes

As Maltezas ajudaram à festa
[+] Fotos
As Maltezas ajudaram à festa
O carnaval da Nazaré define-se como sendo “único, tradicional e genuíno”, sendo preparado e feito "da gente para a gente".
Dizem os nazarenos que não se explica o carnaval aos forasteiros. Sente-se, vive-se, respira-se. É um evento aguardado ansiosamente e o resultado é a grande animação no desfile.
Num desfile descrito como “sem igual em Portugal”, participaram carros alegóricos, grupos e bandas infernais.
Cerca de vinte carros desfilaram, com mais de 1500 figurantes, que aliaram a tradição a uma manifestação de rua que se apresentou de maneira "espontânea" e que torna este entrudo um dos “mais populares e característicos do país”.
“Quero fazer um agradecimento aos grupos que fizeram um desfile tão grandioso como o que se viu hoje, e dizer que esta aposta da Câmara Municipal continuará, pois trata-se de um importante ativo turístico para o concelho”, disse Walter Chicharro, presidente do Município, que revelou que o investimento no carnaval rondou os 40 mil euros.
Os reis foram António Oliveira (Tato) e Adália Maria Santos (Dálinha), foliões locais pertencentes aos Bastilhões e às Maltezas, respetivamente, bandas infernais da Pederneira e do Sítio da Nazaré.
As Maltezas foram o maior grupo a desfilar, com perto de 700 mulheres. Tinham como tema a tourada, refletido no traje. Os Nemanus, dupla de irmãos de Peniche, da área do Funaná, Kizomba e ritmos latino/africanos com traços de dance music, acompanharam as Maltezas.
A marcha dos Bastilhões – “O Carnaval invade a alma” - é bem representativo daquilo que significa o carnaval.
Um dos grupos participantes levou cabeçudos, com caras de figuras emblemáticas da Nazaré.
O corso já tinha saído no sábado à noite à marginal, e sido acompanhado por uma multidão entusiasta desta época.
Depois do desfile de terça-feira, a despedida acontecerá nesta quarta-feira de cinzas, às 17h30, com o “Enterro do Santo Entrudo”.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar