Login  Recuperar
Password
  28 de Fevereiro de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Escolhas do Editor
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Estacionamento abusivo em segunda fila em frente à EBI Santo Onofre

O estacionamento abusivo em segunda fila, que condiciona a livre circulação dos restantes condutores em frente à EBI Santo Onofre, do Agrupamento de Escolas Raul Proença, especialmente nas horas em que as crianças entram e saem da mesma, tem dificultado a vida a alguns encarregados de educação. É o caso da caldense Tânia Formiga, que foi “obrigada” a transpor a linha longitudinal contínua da faixa de rodagem, em frente ao estabelecimento de ensino para se desviar dos veículos que estavam estacionados em segunda fila, de modo a poder circular. Contudo, a PSP multou-a.

12-02-2020 | Mariana Martinho

Alguns pais ou outros familiares teimam em estacionar as viaturas em segunda fila, em frente à EBI Santo Onofre
Alguns pais ou outros familiares teimam em estacionar as viaturas em segunda fila, em frente à EBI Santo Onofre

Esta situação, ocorrida em outubro de 2018, “continua a ocorrer diariamente em frente à EBI Santo Onofre, em que alguns pais ou outros familiares teimam, mesmo após diversas ações de sensibilização, por parte de alunos e docentes, em estacionar as suas viaturas em segunda fila, por vezes mais de quinze ou vinte minutos, chegando ao cúmulo de saírem das mesmas para fumar ou ir ao portão buscar as crianças, e quando abordados para seguirem deixando a via desocupada, respondem de forma insultuosa não procedendo à retirada das viaturas na maioria das vezes”, relata a condutora.

Este problema, que “obriga diariamente a que os restantes condutores tenham de pisar a linha longitudinal contínua para puderem prosseguir a marcha”, levou a que Tânia Formiga fosse autuada há dois anos, tal como outros pais. Contudo, “os condutores indevidamente estacionados não o são, sendo quando muito apenas advertidos, e por esse motivo não mudam os seus hábitos”. 

Após dois anos e de ter pago a multa, que lhe foi atribuída dentro dos prazos, Tânia Formiga recebeu no passado dia 30 a sanção acessória referente a esta contraordenação, que lhe inibe de conduzir por um período de trinta dias, e são "apenas trinta dias porque em quinze anos de carta nunca cometi qualquer infração”. Face a esta situação, a caldense sente-se “indignada, pois não fui autuada por um ato feito deliberadamente mas sim devido a condutores irresponsáveis que bloqueiam parte da via, tornando impossível a livre circulação sem cometer esta infração. Não acho justo”. 

Igualmente referiu que “devido a atos de terceiros, vejo-me em dificuldades para poder vir trabalhar e trazer os meus filhos à escola, facto agravado por não existirem transportes públicos para a minha zona de residência”.

Para tentar obter esclarecimentos, de modo, a que “mais ninguém volte a ser prejudicado por este motivo”, Tânia Formiga dirigiu-se junto à esquadra da PSP de Caldas da Rainha, onde lhe foi dito que “a solução poderia passar por alterar a linha contínua para descontínua, mas isso apenas a Câmara Municipal poderia fazer”. Assim sendo, a caldense tentou entrar em contacto com a autarquia através do correio eletrónico, para que “alguma atitude seja tomada, para evitar que mais pais venham a ser prejudicados apenas por precisarem de circular”.

Igualmente tentou entrar em contacto com a direção do Agrupamento Raul Proença, “deixando recado para me ligarem assim que possível e até ao momento não houve qualquer tipo de telefonema”, bem como por parte da autarquia. 

Além disso decidiu reencaminhar o caso ao comandante da divisão policial de Caldas da Rainha, que lhe respondeu que a PSP “continuará a reforçar sempre que possível a fiscalização de infrações deste tipo”. 

Perante a situação, Tânia Formiga pondera avançar para um abaixo-assinado, caso a situação não seja resolvida. 

Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar