Login  Recuperar
Password
  26 de Maio de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Escolhas do Editor, Sociedade
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Greve climática estudantil marcada para 24 de maio nas Caldas da Rainha

Um grupo de 20 estudantes está a preparar uma greve às aulas no dia 24 de maio, nas Caldas da Rainha com concentração na Praça de Touros, para se juntarem ao movimento mundial e nacional “greve pelo clima” e para lutar pelo futuro do planeta.

24-04-2019 | Marlene Sousa

Bernardo Lopes, Andreia Galvão e Josefine Winkler estão a organizar a marcha em Caldas da Rainha contra as alterações climáticas.
[+] Fotos
Bernardo Lopes, Andreia Galvão e Josefine Winkler estão a organizar a marcha em Caldas da Rainha contra as alterações climáticas.
No passado dia 15 de março, recorde-se, num movimento mundial inspirado na adolescente sueca Greta Thunberg, centenas de estudantes portugueses faltaram às aulas e manifestaram-se em Lisboa, Porto e Coimbra, veiculando uma mensagem de descontentamento para com as classes políticas que “varrem a crise climática para debaixo do tapete”.
Para os jovens do Oeste, nomeadamente os mais novos que não têm a possibilidade de deslocar-se a Lisboa, o grupo quer mobilizar o protesto para as Caldas da Rainha. Já avisaram o Município e a PSP para poderem intervir e interromper o trânsito durante a marcha.
A concentração está marcada para as 10h30 em frente à Praça de Touros e depois haverá uma marcha que passará pelo CCC até à Praça da Fruta, passando pela Rua das Montras até à Avenida 1º de maio seguindo depois para a Rotunda da Estação Ferroviária e depois para a Praça 25 de Abril. O protesto terminará em frente à Câmara Municipal das Caldas, onde os estudantes esperam ser recebidos pelo presidente da Autarquia e vereadores.
A iniciativa insere-se no movimento internacional de jovens que protestam pelo clima (#SchoolStrike4Climate e #FridaysForFuture,) e pretende chamar a atenção, não só ao Governo, mas também ao Município das Caldas, concelhos vizinhos e instituições locais para os problemas relacionados com as alterações climáticas.
O repto está a ser lançado através de um grupo no Whatsapp e Instagram os jovens esperam intervir, mais de 300 estudantes da região Oeste a pegar em cartazes e alertar os políticos e população para a necessidade de olharem com atenção para a problemática das alterações climáticas.

“Para salvar o planeta, as faltas às aulas são mais do que justificadas"

Três jovens da Associação de Estudantes da Escola Secundária Rafael Bordalo Pinheiro, Andreia Galvão, Josefine Winkler e Bernardo Lopes, que participaram na marcha em Lisboa a 15 de março, são os porta-vozes do grupo que está a organizar a manifestação nas Caldas. Referiram que a ativista sueca Greta Thunberg foi uma inspiração e agora pretendem convencer o “máximo de colegas a juntarem-se à greve nas Caldas da Rainha”.
Além do apelo nas redes sociais vão iniciar, a 24 de abril várias ações na cidade e nas escolas para conseguir sensibilizar os jovens a aderirem à greve.
A primeira iniciativa será na quarta-feira, 24 de abril, uma palestra dinamizada pelo movimento Climáximo às Escolas Secundária Rafael Bordalo Pinheiro, Raul Proença e D. João II.
Depois durante o final de abril e em maio até ao dia da greve estes jovens irão fazer outras ações de rua a nível artístico como happenings, teatro, poemas, entre outros. “O objetivo é surpreender, chocar e sensibilizar as pessoas para se juntarem a nós”, disse, Andreia Galvão de 19 anos.
Os estudantes escreveram um comunicado a apresentar o movimento e a explicar o que vão fazer a 24 de maio que estão a enviar para as escolas e associações de pais para que apoiem a marcha.
A 29 de abril, estes jovens vão à Assembleia Municipal explicar aos autarcas as suas ações e falar sobre a greve climática estudantil que vai decorrer nas Caldas.
“O que nós queremos é motivar os jovens estudantes das Caldas, Óbidos, Cadaval, Bombarral, Alcobaça, entre outros concelhos da região Oeste mas também os representantes ligados a instituições ambientais locais, adultos, pais, avós a juntarem-se a nós pelo clima e ambiente, um problema que é tão óbvio e ninguém o trata como se fosse real”, adiantou a jovem.
Josefine Winkler explicou que decidiram manifestar-se nas Caldas porque verificaram que “a 15 de março poucos jovens desta região foram para Lisboa, uma vez que é mais difícil por causa do transporte ou porque os pais não deram permissão”, mas também porque “este concelho precisa de acordar e agir a favor do clima”.
“Não queremos que os pais e professores pensem que queremos simplesmente faltar às aulas”, sublinhou, a jovem que tem 18 anos, adiantando que o que pretendem “é criar uma marca forte nas Caldas a favor do ambiente e contribuir para uma mudança tão urgente”.
Segundo, Andreia Galvão nas Caldas da Rainha os problemas ambientais são “vistos maioritariamente pelas ações individuais, como por exemplo fazer a reciclagem ou utilizar uma escova de dentes de bambu, mas há que chamar atenção que também é um problema coletivo, como o lixo nas ruas e na central onde a reciclagem não é 100% feita”. “As entidades políticas têm que fazer mais para salvar a terra e tem que ser os cidadãos a exigir essa mudança”, adiantou, a jovem.
Bernardo Lopes recordou a primeira greve a que participou em Lisboa e que marcharam juntos até à Assembleia da República, considerando extremamente importante que, “através da participação ativa dos alunos, se promova uma mudança a nível dos políticos”. Quanto aos alunos faltarem às aulas no dia 24, explica, “é mais que “justificada””.
“Não queremos com esta ação, desvalorizar a educação, mas não é por faltar um dia de aulas que vai prejudicar o aluno”, salientou, Andreia Galvão.
Recorde-se que na Escola D. João II os alunos do 5º ao 9º ano juntaram-se a 15 de março numa ação de sensibilização pela defesa do planeta. Não fizeram greve, mas mais de 300 estudantes decidiram fazer a diferença e saíram para o exterior da escola numa ação sobre as alterações climáticas. A iniciativa foi despoletada por Isabel Vidigal, de 12 anos e estudante no 7º ano e envolveu colegas, professores e a direção da escola.

Segundo Josefine Winkler, já receberam tanto de Isabel Vidigal como de algumas colegas da turma, a confirmação que “vão participar na manifestação das Caldas”.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar