Login  Recuperar
Password
  5 de Dezembro de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Opinião
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Escaparate

Igreja de Santa Maria

O meu pai nasceu no ano de 1931 em A-da-Gorda e, poucos dias depois, foi batizado na Igreja de Santa Maria. Óbidos era, por aquela altura, uma vila menos turística e mais atenta às questões religiosas, por isso, creio, existia um halo de magnificência ao redor daquele templo. Os naturais da terra – e muitos de outras plagas – percorriam as igrejas obidenses com um devotamento que impressionava, mas, era em Santa Maria que mais se demoravam.

06-11-2019 | Rui Calisto

Era uma época diferente. António de Oliveira Salazar (1889-1970) ocupava a cadeira de ministro das Finanças, e dois anos depois seria plebiscitada uma nova Constituição, dando, assim, início ao Estado Novo.
Rezam as crónicas antigas que a Igreja de Santa Maria (ou Igreja Matriz de Óbidos) fora sagrada em 1148 por D. Afonso Henriques (1109-1185), logo após a conquista da Vila. Este monarca, com o apoio de cruzados do norte da Europa, conseguiu conquistar Lisboa aos Mouros no ano anterior e, numa sucessão de vitórias, foi alargando as fronteiras territoriais, de todo o torrão que herdara.
Após a consagração do templo, São Teotónio (1082-1162), prior do Mosteiro de Santa Cruz em Coimbra e amigo de D. Afonso Henriques, recebe a incumbência de ali gerir um priorado simples.
Essa igreja foi, também, sede de uma Colegiada - semelhante ao Cabido de uma Sé Catedral, possuidora, portanto, de um conjunto de cónegos com dignidades e ofícios –, extinta aquando da legislação liberal em meados do século XIX.
O edifício, auferindo, com o passar dos séculos, um conjunto de melhoramentos e ampliações, chegou aos nossos dias sobraçado em elementos de diversos estilos: Manuelino, renascentista, maneirista e barroco.
Possuidor de uma riqueza pictórica e azulejar ímpar, está classificado como Imóvel de Interesse Público de Portugal, e fica situado, como sabem, dentro das muralhas do Castelo de Óbidos, este qualificado como Monumento Nacional.
O meu pai muito percorreu aquele largo defronte da Igreja, e eu, por tantas e tantas vezes, por ali passo para saudar a memória dos meus antepassados obidenses.
D. Afonso Henriques deve ainda pairar, juntamente com as suas hostes, por aquele períbolo, embora - como nada resta do edifício que conheceu, pois a antiga estrutura foi totalmente modificada, no início do Séc. XVI, por ordem da Rainha D. Leonor de Lencastre (1458-1525) – deva estar impressionado, por ter diante de si uma Igreja imponente e vetusta, que enche de orgulho os naturais da terra. Imagino o seu olhar de admiração. Percebo o seu contemplar pelo entorno, a coscuvilhar as emoções mais íntimas da sua bruta alma. Um espírito elevado na rudeza da lâmina. Certo de que é, foi e será o grande guardião de todo aquele território e, em particular, daquele templo. Um monarca que talvez não entenda a importância dos artistas João da Costa (Séc. XVIII) e Josefa de Ayala (1630-1684), mas, certamente compreende o significado da “Anunciação” ou do “Batismo de Cristo”, pois a sua espada sempre esteve ao dispor da sua religião.
Hosanas à Igreja de Santa Maria. Que ultrapasse, de pé, os séculos adiante.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar