Login  Recuperar
Password
  16 de Novembro de 2018
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Regional
Gravar em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Julgado de Paz do Oeste resolve litígios mais rápido do que os tribunais

O Salão Nobre do edifício dos Paços do Municipio do Bombarral acolheu no passado dia 21 uma sessão de apresentação e divulgação do Julgado de Paz do Oeste. Com sede no Bombarral, trata-se do maior Julgado de Paz do país.

06-06-2018 |

O presidente da Câmara Municipal, Ricardo Fernandes, destacou “a importância e a enorme relevância” dos julgados de paz, sublinhando que estes, pelas “suas características de maior proximidade, de maior rapidez e com menor custo para quem os utiliza, são respostas concretas na resolução de litígios evitando muitas vezes o recurso aos tribunais comuns”.
Como começou por recordar a juíza coordenadora, Cristina Eusébio, o Julgado de Paz do Oeste foi criado há cerca de um ano “graças a uma conjugação de esforços dos doze municípios que compõem a Comunidade Intermunicipal do Oeste”.
Neste período, como relembrou Cristina Eusébio, a prioridade passou por colocar em dia os processos que vinham do anterior Julgado de Paz, que agregava os concelhos de Óbidos, Caldas da Rainha, Alcobaça e Nazaré, sendo “agora tempo de reforçar a divulgação” deste serviço.
Como salientou, é fundamental que a população perceba que “temos uma nova maneira de fazer justiça, que é diferente dos tribunais comuns, que é mais próxima, mais rápida e mais económica”.
Cristina Eusébio sublinhou que “os Julgados de Paz também podem dirimir indemnizações cíveis decorrentes de pequenos crimes, os quais se podem resolver sem necessidade de apresentar mais uma queixa ao Ministério Público”.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar