Login  Recuperar
Password
  12 de Julho de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Escolhas do Editor, Regional
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Entrevista ao presidente da Câmara do Bombarral, Ricardo Fernandes

“Apelo aos bombarralenses para manterem um comportamento adequado à pandemia”

O Bombarral celebra o seu feriado municipal no dia 29 de junho, pretexto para uma entrevista sobre o concelho com o presidente da Câmara, Ricardo Fernandes.

22-06-2020 |

O presidente da Câmara, Ricardo Fernandes, espera festejar o feriado municipal em 2021 sem as restrições deste ano por causa da Covid-19
O presidente da Câmara, Ricardo Fernandes, espera festejar o feriado municipal em 2021 sem as restrições deste ano por causa da Covid-19
JORNAL DAS CALDAS: 2020 está a ser um ano muito atípico por via da pandemia da Covid-19. De que forma é que este enquadramento alterou a ação do Município?

Ricardo Fernandes: Sem dúvida. Esta nova realidade mundial veio alterar em muito aquela que vinha sendo a ação não só do Município, mas também da sociedade e do tecido empresarial duma forma geral. O país vinha demonstrando um desempenho económico-financeiro com alguma consistência, o turismo vinha em crescendo, e tudo levaria a crer que 2020 seria um excelente ano para o país, para o Oeste e obviamente para o Bombarral.
Toda esta harmonia foi quebrada por um vírus que já demonstrou não reconhecer as fronteiras, géneros, raças ou classes sociais. Nesse sentido, a ação do Município passou a ser alicerçada nas orientações que têm vindo a ser emanadas das diversas autoridades e do Governo. Desde cedo, concretamente a 16 de março, que foi ativado o Plano Municipal de Emergência, e a partir daí foram delineadas diversas ações, algumas das quais decididas e aplicadas ao nível da região Oeste. Fomos acompanhando as fases de confinamento, e posteriormente de desconfinamento, de acordo com as orientações que iam saindo dos Conselhos de Ministros com as implicações que foram conhecidas em todo o país.
Foram implementadas medidas de apoio às famílias e empresas. Começaram-se a desinfetar os espaços públicos um pouco por todo o concelho, distribuíram-se máscaras gratuitamente à população, adaptaram-se os serviços de atendimento aos Munícipes, reforçando com linhas telefónicas dedicadas às componentes de auxílio às pessoas em diversos domínios. Continuou-se a garantir refeições aos alunos com escalão que o solicitaram mesmo não havendo aulas presenciais, e com a colaboração do agrupamento de escolas identificaram-se os alunos que não tinham condições para usufruírem do ensino à distância tendo o Município adquirido tablets e pacotes de dados para permitir que todos pudessem estar em pé de igualdade.
Estas são algumas das ações que, complementadas com outras ao nível da OesteCIM, foram implementadas e ajustadas com o decorrer do tempo e que demonstram como grande parte da atividade do Município passou a estar condicionada por este vírus.

JC: E em termos de obras, têm conseguido cumprir o que estava planeado para o mandato?

RF: Não estaria a ser correto se dissesse que tudo o que estava planeado já está executado ou em execução. Já concretizámos ou estamos a finalizar algumas obras, como o Mercado Municipal, a Rua do Comércio, a renovação dos sanitários e zona de secretariado da Mata Municipal, a reabilitação do Centro Coordenador de Transportes, entre outras. Obras mais estruturantes como a reabilitação do antigo IVV (1ª fase), reabilitação do Palácio do Gorjão, reabilitação da ligação pedonal entre o centro da vila e a zona das escolas, a substituição da cobertura do pavilhão municipal, irão arrancar entre o último trimestre deste ano e o primeiro trimestre do próximo ano.

JC: O setor do turismo foi um dos mais afetados, no entanto, espera-se que possa também ser uma alavanca para a recuperação económica. Como se posiciona o Bombarral no contexto do Oeste neste domínio?

RF: Efetivamente o setor de turismo, tendo sido um dos setores mais prejudicados, pode ser também aquele que mais rapidamente pode contribuir para a recuperação económica. Disso muito vai depender a evolução epidemiológica e a confiança das pessoas nos destinos. Aqui é muito importante a ação dos vários agentes no terreno, na implementação dos seus planos de contingência, e na adaptação do seu produto turístico à nova realidade. O Bombarral em termos turísticos possui, por um lado, um grande potencial de turismo de natureza, o que pode ser uma mais valia neste contexto de pandemia, por outro, temos no nosso território um foco de atração, o Budda Eden, que requer já uma adaptação às novas exigências sanitárias. Setores como o Enoturismo, que estão em franco desenvolvimento, ou vertentes mais ligadas ao Património e Cultura, terão de fazer um esforço suplementar de adaptação de modo a transmitir segurança aos visitantes.

JC: Que impacto tem tido a pandemia no Orçamento da Câmara?

RF: Como é lógico tivemos de redirecionar algumas das verbas, nomeadamente as que estavam mais ligadas aos eventos, para uma nova rubrica criada para ações no âmbito da Covid-19. Neste momento ainda é prematuro avançar com valores, mas a questão da pandemia já nos levou a despender largas dezenas de milhares de euros para mitigar os efeitos do novo coronavírus. No entanto, há que referir que a Câmara Municipal tem uma situação financeira bastante estável e uma capacidade de endividamento considerável pelo que não está em causa a sustentabilidade da autarquia, ainda que tenha de haver alguma redefinição das prioridades.

JC: Que mensagem gostaria de deixar aos bombarralenses nesta altura em que se comemora mais um aniversário do concelho?

RF: Gostaria de deixar duas palavras, por um lado, um apelo para que os bombarralenses continuem a manter um comportamento adequado às restrições que esta pandemia nos coloca e que não baixem a guarda na luta contra este inimigo invisível. Por outro, uma palavra de esperança de que esta situação possa passar rapidamente, deixando o mínimo de mazelas possível, e que daqui um ano possamos estar a fazer um balanço de todas as coisas boas que, entretanto, foram possíveis concretizar contribuindo para a história deste concelho de 106 anos, que é o nosso Bombarral.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar