Login  Recuperar
Password
  19 de Fevereiro de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Sociedade, Caldas da Rainha
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Projeto - “Memórias da Lagoa de Óbidos”

População ansiosa para contar histórias sobre a Lagoa de Óbidos

Mais de 60 pessoas, entre mariscadores e população, que querem partilhar suas memórias, fotografias, objetos e outros testemunhos sobre a Lagoa de Óbidos, compareceram à apresentação do projeto “Memórias da Lagoa de Óbidos” que decorreu no passado sábado na Biblioteca Municipal das Caldas.

16-01-2019 | Marlene Sousa

Fernanda Rolo, coordenadora científica do programa “Memórias para Todos” apresentou o projeto
[+] Fotos
Fernanda Rolo, coordenadora científica do programa “Memórias para Todos” apresentou o projeto
“Conhecer a história da Lagoa de Óbidos, as dinâmicas do território, e as suas transformações a partir dos testemunhos orais, as memórias e histórias, recordações, e objetos, dos seus habitantes que a têm vivido e melhor conhecem”, é o objetivo do projeto que foi apresentado por Fernanda Rolo, coordenadora científica do programa “Memórias para Todos”.
Para esta responsável, as “histórias de vida devidamente contextualizadas, são fundamentais para conhecer e compreender a história da Lagoa de Óbidos, integrantes do seu património e parte vital da identidade e comunidades locais”.
Esta sessão, destinou-se a explicar o projeto e a preparar os “Dias da Memória da Lagoa de Óbidos” que terão lugar a 26 e 27 de janeiro, no Inatel, para os quais a população local é convidada a participar, partilhando as suas histórias e memórias. O testemunho, será dado individualmente, a uma equipa de investigadores que não tem limite de pessoas, que querem colaborar na realização do projeto.
Toda a informação, material e imagens recolhidas, serão depois integradas na plataforma do programa “Memórias Para Todos” e no Centro de Interpretação da Lagoa de Óbidos, cujos conteúdos serão um importante contributo para a divulgação deste património.
Segundo Fernanda Rolo, o aprofundamento do conhecimento acerca da Lagoa de Óbidos e o contributo de todos permitir-nos-á alertar para a necessidade da sua preservação.
Inês Castanho, que também faz parte do programa “Memória para Todos” da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, referiu que no fim de semana de 26 e 27 de janeiro, terão lugar as sessões de registo dos testemunhos. “As pessoas chegam ao INATEL e são registadas, e depois cada uma é ouvida pelos investigadores”, explicou.
Depois de recolhida a informação dos testemunhos, o material é organizado, estudado, interpretado, e divulgado no site do programa “Memorias Para Todos”. Para além disso, será a base que vai estruturar a narrativa associada às “Memórias da Lagoa de Óbidos”, que constará nos conteúdos do Centro de Interpretação para a Lagoa de Óbidos”, do Orçamento Participativo Portugal. “No fundo, é a forma de construir uma narrativa para o Centro de Interpretação com base nas memórias destas pessoas, da forma como esta comunidade se relaciona com a Lagoa”, disse Inês Castanho. Segundo esta investigadora, o projeto “irá constituir estes testemunhos e estas novas fontes, porque não existem em lado nenhum, se eu for a um arquivo não estão lá”.
Para além de criar um novo arquivo, Inês Castanho disse que vão ainda “estudá-lo e fazer com que ele tenha relação com outras fontes, como por exemplo, de jornais e outras documentações que já tenha sido produzidas em relação à história da Lagoa, e contextualiza-la, contribuindo para a construção do Centro de Interpretação, desta forma, com a ajuda da comunidade, e este é o grande mote”.
O projeto Memórias da Lagoa de Óbidos, enquadrado no programa Memória para Todos, é promovido pelo Instituto de História Contemporânea / Centro República (NOVA FCSH) e pela associação KEEP, em parceria com o projeto “Centro de Interpretação para a Lagoa de Óbidos”, do Orçamento Participativo Portugal (OPP), que, durante a fase de levantamento de informação local, identificou saberes, modos de fazer, formas de expressão, lendas e episódios que marcaram a história da Lagoa de Óbidos e das suas gentes.
Esta sessão, que decorreu na Biblioteca Municipal caldense, tinha como objetivo ser uma apresentação do projeto, e acabou por uma partilha de memórias sobre a Lagoa de Óbidos.
Presentes estiveram mariscadores, e várias pessoas ligadas de uma forma ou outra à Lagoa de Óbidos, que estavam ansiosos de partilhar a sua história. Até parecia uma competição, para ver quem tinha a melhor história. Houve muitas memórias diferentes, mas em comum, todos “partilharam a sua paixão pela lagoa e contaram a sua história com emoção”.
É o caso da mariscadora Rosa, que viveu durante três anos numa cabana junto à Lagoa, e conseguiu pagar as suas despesas e os estudos dos filhos com o marisco que apanhava e vendia. “Havia camarões que já não existem”, recordou, lembrando também a “flora espetacular que existia”.
Fernando Sousa, presidente da Junta de Freguesia da Foz do Arelho, recordou que, “trocou os estudos pela Lagoa porque na altura dava dinheiro, era mais fácil apanhar marisco”.
Miguel Castro, do projeto Turismo Aventura na Foz do Arelho, levou o apupo (búzio grande), que está ligado à história da Lagoa, porque o som que imitia, era utlizado para alertar para a necessidade de mobilizar as pessoas, para abrirem a aberta quando ela fechava, e também era utlizado para chamar os pescadores para irem para o mar.
Já Sã Nogueira contou a sua história, mais lúdica, ligada à Lagoa de Óbidos, onde recordou os passeios de barco e paisagens espetaculares.
São estas e muitos mais histórias, que os investigadores deste projeto pretendem recolher. Convidam assim, todos os cidadãos que têm vivido a Lagoa de Óbidos, e que melhor a conhecem, a participar nas sessões de 26 e 27 de janeiro no INATEL, de modo a contribuir para a proteção deste sistema lagunar de reconhecida importância ecológica, e para o desenvolvimento local sustentável.
Abril de 2019, é a data prevista para a abertura do Centro de Interpretação para a Lagoa de Óbidos (CILO). Ficará localizado na Foz do Arelho, em instalações cedidas pelo município das Caldas da Rainha. A Óbidos caberá a responsabilidade da comunicação e identidade gráfica.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar