Login  Recuperar
Password
  12 de Julho de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Caldas da Rainha
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Regina Guimarães no Teatro da Rainha

Realizou-se no passado dia 16, na sala-estúdio do Teatro da Rainha, nas Caldas da Rainha, mais uma sessão de Diga 33, ciclo de encontros com escritores, editores e ensaístas em estreita relação com o universo poético português.

19-06-2020 | Valentim Nataniel

A escritora Regina Guimarães (foto Margarida Araújo)
[+] Fotos
A escritora Regina Guimarães (foto Margarida Araújo)
Desta feita, Henrique Fialho, responsável pelo programa, esteve à conversa com a escritora Regina Guimarães numa sala reorganizada de acordo com as regras da Direção-Geral da Saúde e com os lugares totalmente preenchidos.
Natural do Porto, criadora multifacetada e politicamente activa, Regina Guimarães talvez seja mais reconhecida como parte integrante da banda Três Tristes Tigres. Entre as diversas curiosidades reveladas pela autora ao longo da sessão, destaca-se a de um trabalho de tradução mantido em tempos com o Teatro da Rainha que terá estado na origem do seu interesse pela escrita de canções.
Nesta sessão deu-se a conhecer um vastíssimo trabalho poético, cuja estreia em livro, no ano de 1979, marcou o início da Hélastre, editora fundada com o cineasta Saguenail. Segundo a autora, a Hélastre é hoje mais do que uma editora, é um espaço onde são disponibilizados online todos os livros e filmes, assim como textos dramáticos e catálogos para exposições, surgidos de uma colaboração marginal aos circuitos oficiais. “Não acredito em direitos de autor”, respondeu Regina Guimarães quando interrogada sobre a razão de ser deste acto de partilha.
Da poesia à actualidade política, foram abordadas diversas questões em conversa aberta ao público, intercalada pela leitura de poemas. Sobre o seu mais recente livro, Regina Guimarães afirmou tratar-se de um volume diferente por ter obedecido, pela primeira vez, a um método de escrita. De traduções sobrepostas, em diversas línguas, de um mesmo poema original, surgiram os versos de “traumatório” (Douda Correria, Março de 2020).
Desafiada a ler um dos seus poemas de cor, Regina Guimarães respondeu afirmativamente com um poema escrito nos idos de 1990. Os aplausos não afetaram a discrição, desculpando-se a autora pela “má memória”, que não se notou. No final, foram vários os presentes que se dirigiram ao palco solicitando que autografasse alguns dos seus livros disponibilizados no local.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar