Login  Recuperar
Password
  19 de Julho de 2018
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Opinião
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Quando morre um homem bom o mundo fica mais pobre

No passado domingo, o Museu do Ciclismo e a cidade de Caldas da Rainha perderam um desses homens que nos fazem falta, Carlos Silva, que aos 72 anos, deixa na família e nos muitos amigos do coração um profundo vazio e um enorme pesar.

04-07-2018 | Museu do Ciclismo

Carlos Silva
Carlos Silva

Faleceu num acidente invulgar, colhido por um automóvel, numa rotunda traiçoeira, quando circulava na sua motorizada elétrica, deixando em estado de choque todos os que com ele conviveram e o primeiro comentário das mais variadas origens foi, “perdemos um homem bom”.
Um ser humano de uma simplicidade e cordialidade notáveis, com uma visão e experiência de vida ao serviço do restauro de móveis antigos, que lhe permitiu dedicar o seu tempo livre ao empenhamento social, dando uma colaboração de relevo e sempre benévola ao Museu do Ciclismo de Caldas da Rainha, onde desempenhava todas as tarefas de montagem e manutenção de exposições sempre que o seu diretor, Mário Lino, o chamava a colaborar, numa relação que o entusiasmava, onde punha o seu saber e a sua generosidade sempre em destaque com uma vitalidade inusitada.
Gerou no Museu do Ciclismo ao longo dos anos um sentimento de proximidade, mesmo se a sua modéstia não deixasse transparecer que ali se sentia em sua casa onde dizia “aqui há sempre caminhos novos a percorrer”.
Homem de fazer amigos e preocupado com o Museu do Ciclismo e com a sua “cidade do coração” que foi Caldas da Rainha que sempre projectou nas inúmeras deslocações que fez pelo País.
Amigo, colaborador atento e dedicado, homem prático e “fotógrafo amador”, ganhou o respeito de todos.
Caldas da Rainha e do Museu do Ciclismo perdem um homem bom e disponível, que nos deixa bruscamente e de quem guardaremos para sempre um profundo respeito e uma enorme saudade.
À família enlutada, endereçamos os nossos sentidos pêsames e a nossa incondicional solidariedade neste momento de dor.
O funeral terá lugar nesta quinta-feira, pelas 15h, com saída da casa mortuária do Montepio Rainha Dona Leonor, em Caldas da Rainha, onde se encontrará em velório cerca das 11h, seguido de celebração de exéquias e inumação em sepultura de família no cemitério de Santo Onofre.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar