Login  Recuperar
Password
  4 de Julho de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Opinião
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Escaparate

Feiras no Parque Dom Carlos I

A pandemia que vem assolando o nosso belo planeta trouxe alegria ao Parque Dom Carlos I. Que ironia, não é verdade?

21-06-2020 | Rui Calisto

Rui Calisto
Rui Calisto
Foi graças à calamidade, que a natureza conseguiu robustecer-se, revigorar-se, permitindo a renovação da sua vida biológica. O que nos leva a chegar a uma conclusão: As Feiras (Cavalo e Frutos) não devem ocorrer ali. Esses dois certames são muito prejudiciais à fauna e à flora do nosso Parque.
Devemos aproximá-lo, sim, de um Jardim Botânico, e não transformá-lo num recinto de “chavascadas”, onde existe um profundo desrespeito pela natureza e, por conseguinte, pela própria saúde da população caldense, especialmente a saúde mental, pois, aquele local é uma espécie de santuário, onde vamos mitigar as tensões do nosso dia-a-dia.
Caldas da Rainha tem capacidade financeira para construir um recinto apropriado para abrigar aquelas Feiras. E se, por mero acaso, alguém disser que não, irei mais longe, anunciando que existem programas específicos na União Europeia que podem financiar a construção, ou adaptação, de uma área suficientemente grande e guarnecida com todas as especificações necessárias para termos as melhores Feiras do Cavalo e dos Frutos, em toda a nossa história.
Em maio de 2019, publiquei um artigo (Caldas da Rainha e a Biodiversidade) onde explanei sobre a necessidade urgente de se proteger a fauna e a flora do Parque Dom Carlos I, deixando ali de realizar-se aquelas Feiras. Com esse texto, conquistei um enorme número de apoiantes, o que me faz acreditar que existem pessoas – mesmo - muito preocupadas com a herança - no que trata ao ecossistema - que vamos deixar às gerações futuras.
Porém, politicamente, um ano volvido sobre a referida publicação, nada mudou, faltando, ainda, nas Caldas da Rainha, a definição dos contornos da Estrutura Ecológica Municipal, dentro de um Plano de Ordenamento do Território.
Não muito longe deste concelho há quatro Jardins Botânicos, cujos técnicos poderiam ensinar-nos muito, principalmente acerca da importância de possuirmos dois pulmões (Parque D. Carlos I e Mata Rainha D. Leonor) tão relevantes para a nossa região (e não só). Deveríamos, portanto, estreitar laços, e formalizar protocolos, com uma destas instituições: Jardim Botânico da Ajuda, Jardim Botânico de Lisboa, Jardim Botânico Tropical e Jardim Botânico da Universidade de Coimbra.
As Feiras do Cavalo e dos Frutos podem expandir-se e crescer, sem necessitarem do Parque Dom Carlos I – repito, essencial para a fauna e a flora locais, e para a saúde dos caldenses - para isso, os seus organizadores devem fazer um importante exercício de humildade, aceitando que há valores maiores a proteger e preservar.
Somos inteiramente dependentes da natureza! Sem ela, o ser humano, obviamente, deixa de existir.
Desde o século XIX que se estuda nos Estados Unidos da América o preservacionismo e o conservacionismo na questão ambiental, ambos, obviamente, a se contraporem à ganância económica a qualquer custo e à exploração predatória da natureza. E, não devemos esquecer que esse é um país completamente capitalista (foi graças a esses tipos de abordagem que se pôde criar verdadeiros pulmões em regiões importantes, surpreendentes relicários ecológicos como o Parque Nacional de Yellowstone, o mais antigo parque nacional do nosso planeta, inaugurado no dia 1 de março de 1872).
Com certeza, proteger o Parque Dom Carlos I, respeitando a sua biodiversidade e considerando os seus aspetos sócio ambientais, é garantir uma estratégia fundamental para a manutenção do nosso perfil enquanto cidade. Sem contar que, estaremos, também, a colaborar com a valorização do nosso querido Museu José Malhôa.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar