Login  Recuperar
Password
  5 de Dezembro de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Ocorrências
Gravar em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Detido por arrastar cão preso a jipe

Um homem de 32 anos foi detido pela GNR por ter arrastado um cão, por uma corrente, no jipe que conduzia, em Areirinha, A-dos-Negros, Óbidos, no passado dia 6. Por ter agredido um militar e ter na sua posse uma catana está indiciado da prática dos crimes de resistência e coação sobre funcionário, ameaça agravada, detenção de arma proibida e maus tratos a animais de companhia.

20-11-2019 | Francisco Gomes

O caso aconteceu no passado dia 5, quando o animal, da raça Rottweiler, foi avistado a ser arrastado, tendo a GNR sido alertada para a situação. Quando a patrulha chegou à localidade onde o suspeito reside, segundo o Ministério Público da Secção de Caldas da Rainha do Departamento de Investigação e Ação Penal de Leiria, o indivíduo “proferiu ameaças dirigidas aos militares, molestando fisicamente um deles”, dando-lhe um murro na cara. Estava também na posse de uma catana. Foi imediatamente detido.

O animal, que estaria ensanguentado nas patas e a ganir, não tem documentação e ia ser sujeito a uma perícia pelo veterinário municipal, pedida pelo Ministério Público. Pertence a um amigo do detido, que está fora do país.

No entanto, a mãe do suspeito negou à TVI que o cão estivesse ferido. “Não estava magoado nem tinha sangue nas patas”, garantiu.

O homem fazia anos e “quando bebe fica um bocadinho desorientado”. “Pensou levar o cão para brincar ele. Eu não vi, mas se ele arrastou o cão foi por pouco tempo e ia com o carro devagarinho, porque se fosse depressa o cão tinha morrido”, declarou a mãe, que explicou que a catana encontrada é utilizada para trabalhar no campo.

Sustentou também que o filho foi agredido pelos militares.

O arguido ficou uma noite detido e foi presente no dia seguinte a primeiro interrogatório judicial, ficando em liberdade sujeito às medidas de coação de obrigação de apresentação uma vez por semana no posto da GNR de Óbidos e de não adquirir nem usar armas de fogo, catanas e sabres ou similares, bem como de entregar à GNR aquelas que tiver na sua posse. 

Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar