Login  Recuperar
Password
  16 de Agosto de 2018
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Sociedade, Caldas da Rainha
Gravar em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Centro Hospitalar do Oeste pioneiro no apoio aos reclusos com infeção VIH

Com a presença dos Ministros da Saúde e da Justiça, dos Secretários de Estado Adjuntos da Saúde e da Justiça e de dirigentes hospitalares e de estabelecimentos prisionais, foi assinado no passado dia 16 no Estabelecimento Prisional de Lisboa um protocolo, sob o patrocínio dos  Ministérios da Saúde e da Justiça, entre a Direção Geral da Reinserção e Serviços Prisionais e 28 hospitais ou centro hospitalares, entre os quais o Centro Hospitalar do Oeste (CHO), com vista à deslocação dos profissionais de saúde  (médicos e enfermeiros) aos estabelecimentos prisionais para tratar os reclusos com infecções pelos vírus VIH,  hepatite B e hepatite C.

18-07-2018 |

Com este protocolo o Ministério da Saúde pretende alcançar a eliminação da hepatite C nos estabelecimentos  prisionais até 2020.
Estes protocolos começaram a ganhar forma abrangente no ano passado  com a deslocação de profissionais do Serviço de Gastrenterologia do Centro Hospitalar de S. João ao Estabelecimento Prisional do Porto, tendo-se logrado o tratamento de 70 reclusos com hepatite C com uma eficácia de 97%, valores habituais agora com os novos antivirais de ação direta. 
Mas a deslocação de profissionais de saúde hospitalares aos estabelecimentos prisionais para tratar doentes com infeções como o VIH, teve, em Caldas da Rainha, e na médica especialista de medicina interna, Cristina Teotónio,  um exemplo de pioneirismo.  Essas deslocações iniciaram-se em 1998, faz agora 20 anos, existindo protocolos entre o Hospital das Caldas da Rainha e o Estabelecimento Prisional, a dada altura devidamente regulamentados.
Isso mesmo foi lembrado durante a sessão por Teresa Galhardo,  chefe de equipa multidisciplinar do Centro de Competências para a Gestão dos Cuidados de Saúde da Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais.
Este pioneirismo é tanto mais motivo de destaque quanto só se verificou protocolo semelhante em 2011 entre o Hospital de Cascais e os estabelecimentos prisionais de Tires e Linhó (para tratar doentes com VIH e coinfecção VIH-VHC),  para depois,  em 2017, surgir o projeto do Hospital de S. João (VHC).
Agora são 28 os hospitais e centros hospitalares com protocolos assinados com 45 estabelecimentos prisionais,  em benefício dos reclusos doentes,  numa medida inclusiva, de respeito pelos direitos e dignidade humanas e,  simultaneamente, uma medida de saúde pública eficaz, ao promover a diminuição dos riscos de transmissão destas infeções na comunidade em geral.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar