Login  Recuperar
Password
  16 de Agosto de 2018
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Sociedade, Caldas da Rainha
Gravar em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Unidade de Saúde Pública divulga precauções para evitar desenvolvimento da legionella

A Unidade de Saúde Pública Zé Povinho, do Agrupamento de Centros de Saúde Oeste Norte (concelhos de Alcobaça, Bombarral, Caldas da Rainha, Nazaré, Óbidos e Peniche), tem no seu plano de atividades um programa direcionado para a prevenção da doença dos legionários, tendo divulgado precauções a ter para evitar o desenvolvimento da legionella.

18-07-2018 |

Segundo a unidade de saúde, esta é uma doença que “pode ser evitada”. “Apenas é necessário efetuar a manutenção periódica e adequada dos equipamentos e instalações que necessitam de água para o seu funcionamento e são capazes de produzir aerossóis”, adianta.
Estudos apontam que a legionella é erradicada a temperaturas superiores a 60ºC, demorando aproximadamente dez minutos a ser eliminada. Já a temperaturas próximas dos 60ºC demora aproximadamente 25 minutos.
Embora qualquer indivíduo saudável possa contrair a doença, estão em maior risco pessoas adultas com mais de 50 anos, fumadores e pacientes com doenças crónicas debilitantes (alcoolismo, diabetes, cancro, insuficiência renal, sida).
A doença inicia-se habitualmente com tosse seca, febre, arrepios, dor de cabeça, dores musculares e dificuldade respiratória, podendo também surgir dor abdominal e diarreia. A doença desenvolve-se cerca de cinco a seis dias depois da infeção, podendo ir até dez dias.
A infeção transmite-se por inalação de gotículas de vapor de água contaminada.
Se o aquecimento da água for efetuado por termoacumulador (cilindro) e se este estiver fora de serviço mais do que uma semana, reaquecer a água colocando o termoacumulador na temperatura máxima (até uma temperatura de, pelo menos, 70ºC), durante uma hora, antes de ser utlizada.
No funcionamento normal deve-se garantir que a água no interior do termoacumulador se mantem, pelo menos, a 60ºC.
Se a instalação de alojamento estiver fechada mais de uma semana, deve, na rede de água fria, efetuar descargas, durante pelo menos dois minutos, nas torneiras e chuveiros e ainda nos autoclismos. Na rede de água quente, efetuar descargas com a água bem quente (a pelo menos 60ºC), durante pelo menos dois minutos, nas torneiras e chuveiros.
As torneiras e as cabeças dos chuveiros devem ser limpas a cada seis meses: Desmontar as torneiras e os crivos das cabeças dos chuveiros, para limpeza de detritos acumulados e posterior desinfeção (submersão durante trinta minutos em solução com lixivia – juntar aproximadamente meia chávena de café num balde de cinco litros de água). Substituir as juntas e filtros, se necessário.
Deve ser feita uma revisão geral do funcionamento da rede e dos equipamentos instalados para aquecimento das águas sanitárias:
Fazer a avaliação de todos os componentes (torneiras, chuveiros, etc.) procedendo, caso seja necessário, a eventuais reparações ou substituições.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar