Login  Recuperar
Password
  20 de Janeiro de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Opinião
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Olhar JSD

Ano “H”

Chegada mais uma quadra natalícia e festejos pela vinda de um novo ano, chega também o necessário balanço ao ano que está a findar.

28-12-2018 | Rodrigo Amaro, presidente da JSD das Caldas da Rainha

Rodrigo Amaro
Rodrigo Amaro

Importa desde logo perceber o que correu bem e o que correu mal, nesse aspeto digamos que muito correu mal. E se 2017, já tinha sido um ano pródigo em acontecimentos infelizes, podemos dizer que 2018 não lhe ficou atrás, bem pelo contrário. Chegando à conclusão que os erros de 2017 não serviram de emenda para este Governo.
Olhar para o filme deste ano, diria que pode ser resumido na expressão "comprar gato por lebre", ou pelo menos, é isso que este Governo tem passado a vida a tentar vender aos portugueses. Vejamos a quantidade de trapalhadas, mistérios, desgraças e injustiças em que este Governo, direta ou indiretamente, se envolveu, tentando sempre passar entre os pingos da chuva com diferentes jogos de cintura. A maior prova disto, é o seu Primeiro-Ministro que entre não saber, não ser informado ou não ser da sua conta, foi arranjando justificação para o injustificável.
No fundo, o que se percebe é que temos um Governo a atirar areia para os olhos dos eleitores e acumular areia na engrenagem do Estado. Hoje, se por um lado tentam mostrar que está tudo bem, repondo salários e pensões e apresentando o menor défice da nossa mais recente histórica democrática. Por outro lado, assistimos à maior carga fiscal de sempre e a um brutal descontentamento partilhado por diferentes setores do Estado. São greves atrás de greves, por falta de condições de trabalho e tratamento justo, na saúde, na justiça, nas forças de protecção e segurança, na educação e em setores ligados à economia do país.
Neste sentido, 2019 assume uma importância capital na construção do futuro para o país. E porquê?! É um ano de eleições, Europeias em Maio e as Legislativas por volta de Outubro. Estes dois atos eleitorais vêm a perder capacidade mobilizadora de eleitores às urnas eleição após eleição, espelho disso mesmo foi a taxa de abstenção registada nas Europeias de 2014, que superou a taxa de votantes. É urgente reverter esta tendência, que coloca em causa a normalidade da democracia, tal como a conhecemos. Este será o Ano “H”, porque os portugueses serão chamados a pronunciar-se relativamente a quem querem que os represente na Europa nos próximos cinco anos e em Portugal nos próximos quatro. Acima de tudo, cabe aos portugueses escolher o projeto que consiga retirar a Europa da constante convulsão política, económica e social. Assim como para Portugal, um projeto que entregue uma visão de estabilidade duradoura ao país.
Os portugueses dirão certamente presente na escolha de uma Europa próspera e um Portugal melhor.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar