Login  Recuperar
Password
  21 de Fevereiro de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Cultura
Gravar em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Companhia das Caldas da Rainha promove ciclo de poesia alargado a críticos e académicos

A poesia vai subir ao palco do Teatro da Rainha às terças-feiras de cada mês, no âmbito da segunda edição do “Diga 33”, ciclo alargado este ano a académicos e críticos a debater poetas e poemas. O ciclo “Diga 33 – Poesia no Teatro”, cuja segunda edição arrancou na passada terça-feira, alarga-se este ano, para além dos poetas e editores, a “académicos, críticos, tradutores e promotores do debate que mantém acesa a chama”, divulgou o Teatro da Rainha.

16-01-2019 |

A iniciativa ocupará a sala estúdio da companhia sediada nas Caldas da Rainha, pelo segundo ano consecutivo, todas as terças-feiras de cada mês para, segundo o coordenador, Henrique Bento Fialho, debater “para que serve a poesia hoje”.
Em análise estarão, de acordo com Bento Fialho, questões como se a “poesia de hoje é diferente da escrita na Grécia longínqua”, ou se, a poesia é ou não “intraduzível, como tantas vezes se apregoa”.
Ao longo do ciclo será também questionado “o papel dos críticos na poesia da atualidade” bem como “dos académicos que a estudam”, acrescentou.
O programa arranca na terça-feira com António de Castro Caeiro e José Anjos.
O primeiro, professor na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, é mestre em Filosofia Contemporânea e doutor em Filosofia Antiga, tendo ministrado seminários de tradução de textos filosóficos em alemão, grego antigo e latim. Traduziu várias obras poéticas e em 2018 publicou pela Abysmo “As Constituições Perdidas de Aristóteles”.
O segundo é formado em Direito, músico e poeta, autor dos livros “Manual de Instruções Para Desaparecer” (Abysmo, 2015) e “Somos Contemporâneos do Impossível” (idem, 2017).
O poeta, romancista e guionista Nuno Costa Santos e Hugo Milhanas Machado, professor na Universidade de Salamanca, serão os convidados de fevereiro.
Em março, sobe ao palco o poeta José Ricardo Nunes e a artista plástica Maria João Lopes Aleixo Fernandes, seguindo-se, em abril, o poeta e crítico Eduardo Pitta.
Amadeu Batista, poeta português que reuniu recentemente parte da obra no volume "Caudal de Relâmpagos", será o convidado de maio.
Ana Salomé, responsável pela revista de poesia Golpe d'asa, Catarina Nunes de Almeida, vencedora em 2006 do Prémio Internacional de Poesia Castello di Duino, e o poeta António Poppe darão depois voz à poesia em junho.
Em julho, ocuparão o palco os poetas Margarida Vale de Gato e Daniel Jonas, seguindo-se, em setembro o autor Luís Carlos Patraquim.
No mês de outubro, será tempo de ouvir Inês Lourenço, que entre 1987 e 1999 e editou os "Cadernos de Poesia - Hífen", e, finalmente, em novembro, o ciclo dará voz a Inês Fonseca Santos (poeta e jornalista), António Pina (autor de “O Encontro do Escritor com o Seu Silêncio”) e João Paulo Cotrim (poeta e editor na Abysmo).
Nos meses de agosto e dezembro o ciclo não se realiza devido aos períodos de férias.
As sessões têm início às 21:30, com entradas livres, mas condicionadas aos lugares disponíveis na sala com lotação para cerca de 50 espetadores.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar