Login  Recuperar
Password
  26 de Setembro de 2018
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Ocorrências
Gravar em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Detido por alegados maus tratos e abuso sexual da mãe

Um homem de 55 anos foi detido na Nazaré pela Polícia Judiciária por suspeita de maus tratos físicos e psíquicos, e agressões sexuais à sua mãe, tendo ficado a aguardar o desenvolvimento do processo judicial em liberdade mas com proibição de contactar com a vítima e de estar na residência desta.

12-09-2018 | Francisco Gomes

Na sequência de queixa, a PJ deteve o indivíduo no passado dia 3, cerca das 23h, fora de flagrante delito.
A vítima mostrava-se “bastante atemorizada perante os atos de violência que já decorrem há anos, indiciando-se também agora, para além do crime de violência doméstica, o abuso sexual de pessoa incapaz de resistência”, refere a PJ.
De acordo com o Ministério Público do Departamento de Investigação e Ação Penal de Leiria, “considerou-se fortemente indiciado que o arguido, no dia 24 de agosto, no interior da residência de ambos, praticou atos subsumíveis ao crime de abuso sexual. O arguido estava ciente que, em razão da idade da ofendida e do facto de se encontrar a dormir sob o efeito de medicação, a mesma não era capaz de se defender e de se opor de forma eficaz aos seus atos”.
Acrescenta também que, nos anos de 2016 a 2018, o arguido, “por diversas vezes, dirigiu-se à sua mãe, no interior da residência comum, e injuriou-a e ameaçou-a, humilhando-a e causando-lhe medo”.
O arguido foi sujeito a primeiro interrogatório judicial no dia 5 de setembro. Verificando-se a existência de perigo de continuação de atividade criminosa, foi determinado que o arguido aguardasse os trâmites do processo sujeito, cumulativamente, às obrigações decorrentes do termo de identidade e residência (TIR), à proibição de contactar por qualquer meio com a vítima e de frequentar ou permanecer na residência desta, e ainda à apresentação bissemanal no posto policial mais perto da sua residência.
A investigação irá prosseguir sob direção do Ministério Público, com a colaboração da Polícia Judiciária.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar