Login  Recuperar
Password
  26 de Setembro de 2018
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Opinião
Gravar em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Escaparate

Arena Romana nas Caldas da Rainha

Toda a vez que ouço um aficionado das touradas destilar frases de efeito, anunciando que “aquilo” é cultura, ponho-me a pensar num excelente projeto que poder-se-ia executar nas Caldas da Rainha: Construir-se uma Arena Romana.

06-09-2018 |

Naturalmente seria um plano muito interessante do ponto de vista “cultural”.
As Arenas Romanas estão na história devido à inexorável caçada suportada pelos cristãos primitivos. Praticamente a mesma coisa que acontece com os touros numa praça.
São muito conhecidas as crónicas sobre as catervas de animais impetuosos que eram lançados sobre os fiéis indefesos, algo muito semelhante com o que se vê nas liças tauromáquicas.
Um touro a mais ou a menos para os aficionados é, praticamente, igual ao sentimento romano: Um cristão a mais ou a menos pouco importa. O que vale é a festa; a boa disposição de quem está nas arquibancadas; as fortunas envolvidas, representando lucros fenomenais para alguns; a bandinha de música, orientada por um maestro bêbado e bonacheirão; e o regozijo incondicional que o sangue nos corpos, e no chão, trazem ao populacho, uma plateia nitidamente sanguinária, que sente prazer quando bebe da desgraça alheia.
Tanto na praça de touros quanto na Arena Romana, sem dúvida, temos uma inacreditável demonstração de extrema “cultura”, pois são atividades “artísticas” idênticas, só mudando o corpo flagelado.
Naqueles dois recintos, tudo o que antecede ao martírio é pensado ao mínimo detalhe, sim, porque isto de fazer mal a outros tem um quê de destreza e planeamento. Para o leão cravar a sua bocarra no indivíduo, ou o toureiro os seus instrumentos de tortura e morte no touro, muito caminho foi já percorrido. Muito suplício psicológico foi preparado, muito ódio foi destilado, muita irracionalidade foi suporte da ação futura. Tudo o que pode “melhorar o espetáculo” é estudado ao pormenor, desde as cores detestadas pelos animais, até às palavras que os podem instigar ao ataque. Os cristãos chegavam a ter o corpo esfregado com carne crua, para ficarem mais apetecíveis e, por sua vez, os leões eram fustigados com chicotes e a sua pele trespassada com ganchos, para levantar-lhes a fúria.
O touro possui uma peculiaridade: É herbívoro. Não é um predador. Se ataca é porque sente medo, porque está acuado. Sofre um processo de encarceramento no percurso do campo à praça, é picado e espancado violentamente, para que se enfureça. Os seus cornos são cortados a sangue frio, são privados de água e comida, são-lhe administradas drogas e laxantes, enfraquecendo-o mais ainda. Quando o largam na arena, é natural que desate a correr e salte para as arquibancadas, num ato refletido de pânico, para tentar fugir do recinto e da tortura a que foi submetido durante horas. Quando os violentos arpões são enterrados em suas costas, inevitavelmente, a dor é imensa e a perda de sangue incalculável. Quando (o que sobrevive à lide na praça) é levado para os curros, esses mesmos arpões são arrancados a sangue frio, deixando, depois, o animal abandonado à sua sorte, durante, aproximadamente, dois dias, até ser despejado num matadouro, para o desfecho final.
Deixo aqui um pedido à Câmara Municipal das Caldas da Rainha: Construa uma Arena Romana. Assim, podemos divertir-nos à grande (como acontece com os aficionados pela tourada), pois a tortura, o sofrimento, e a morte de um animal, seja de que espécie for, nada representa, sendo unicamente uma expressão “artística”, um extravasar “cultural”.
Já agora, e no embalo de tanta emoção “cultural”, peço à população caldense que inicie um grande movimento nas redes sociais, com a abertura da página: Arena Romana JÁ! A sua fotografia identitária pode ser a imagem de um leão a devorar um ser humano. Deliciosamente “cultural”.

Rui Calisto
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar