Login  Recuperar
Password
  21 de Agosto de 2018
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Escolhas do Editor, Regional
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Protesto contra situação da Linha do Oeste em frente ao Ministério do Planeamento e Infraestruturas

Cerca de 100 pessoas, entre autarcas das Caldas da Rainha, manifestaram-se na passada quinta-feira frente ao Ministério do Planeamento e Infraestruturas, em Lisboa, em protesto contra as atuais condições da Linha do Oeste e a supressão de vários comboios desde o início do ano.

01-08-2018 |

Cerca de 100 pessoas manifestaram-se contra a supressão de comboios
[+] Fotos
Cerca de 100 pessoas manifestaram-se contra a supressão de comboios
Rui Raposo, porta voz da Comissão Para a Defesa da Linha do Oeste, sublinhou a “supressão diária de comboios desde o início de 2017”, além dos “constantes atrasos nos horários”, num “total desrespeito pelos utentes” deste meio de transporte.
Segundo Rui Raposo, o ministro do Planeamento, Pedro Marques, já anunciou que estão em curso “conversações com Espanha no sentido de vir mais equipamento a diesel para a Linha do Oeste e para as linhas que não estão eletrificadas”, além de um plano de aquisição de novo material, mas que “não é solução de curto prazo”, tendo em conta os concursos públicos que obrigam a determinados prazos.
“Até lá, a Comissão já apresentou uma proposta no sentido de serem utilizadas, provisoriamente, as locomotivas 1.400, com uma ou duas carruagens acopladas, para puderem fazer o transporte de passageiros na Linha do Oeste”, disse o responsável.
Rui Raposo lembrou tratar-se de material que está parado, “mas que funciona” e que pode ser usado numa “situação de emergência”, como reconhece ser a que se vive atualmente, “sem quaisquer comboios”, para resolver provisoriamente o problema.
O responsável alertou para o marco histórico desta linha, com 132 anos, quando no dia 6 de julho, no troço a norte das Caldas da Rainha, “não circulou, todo o dia, um único comboio”, alertando para o constante uso de duas composições quando deviam estar seis em circulação.
Deu ainda como exemplo o que acontece com as férias balneares de algumas crianças frequentadoras da estância balnear de São Martinho do Porto, que de comboio demoram cerca de oito minutos de viagem contra os trinta de carro ou autocarro, e que têm estado “largos minutos” à espera das composições.
Em relação aos novos horários que vão estar a funcionar a partir de 5 de agosto, o responsável revela que estes “não servem as necessidades das populações”, referindo que as mesmas “vêm formalizar as supressões já feitas”.
“Vão ser eliminadas três ligações diárias e diretas entre Caldas da Rainha e Coimbra. O conselho que dou às populações é que continuem esta luta, reclamem junto da CP pelos atrasos sucessivos para termos frutos”, frisou.
Fernando Semblano, porta voz das comissões dos trabalhadores da Infraestruturas de Portugal, Comboios de Portugal, Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário (EMEF) e Medway (antiga CP carga), disse à agência Lusa estar no local em solidariedade para com a população do Oeste.
“Entendemos que o caminho que a CP está a ter é desastroso e que pode levar, inclusive ao fim da empresa, à abertura ao mercado liberal e ao setor privado”, alertou, acrescentando ainda “temer pela segurança dos utentes e trabalhadores, dado o desinvestimento” na linha.
Manuel Santos, de 80 anos, foi até Lisboa para, conforme explicou à Lusa, “lutar pelos comboios no distrito de Leiria”, denunciando que o Governo “não respeita ninguém” e não cumpre com o que prometeu.
“Não há comboios. Quando tenho de ir à minha terra, que é Óbidos, tenho de ir de camioneta, não há comboio, até a estação está destruída. É uma pena para nós e para os estrangeiros”, sublinhou.
Também Maria Jesus, utente diária da Linha do Oeste, na ligação Caldas da Rainha e São Martinho do Porto, explicou à Lusa o transtorno de passar “muitas horas à espera do comboio” e todo o “stress e ansiedade” a que está sujeita.
“É um desrespeito brutal pelos utentes da Linha do Oeste. Não há informação se há ou não comboio ou autocarro que nos leve. Sofremos horrores”, acusou.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar