Login  Recuperar
Password
  19 de Fevereiro de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Cultura, Caldas da Rainha
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Exposição de Carlos No

Artista cria escultura especialmente para mostrar no Museu José Malhoa

“Impasse”, é como se chama a segunda exposição individual que o artista Carlos No realiza em Caldas da Rainha. Esta mostra, que é constituída por uma escultura site specific, de grandes dimensões, ocupa todo o espaço central da sala de exposições temporárias do Museu José Malhoa e está acompanhada por maquetas e desenhos de estudos efetuados durante a conceção da mesma, podendo ser vista até 3 de março.

30-01-2019 | Mariana Martinho

Carlos No, autor da exposição “Impasse”
[+] Fotos
Carlos No, autor da exposição “Impasse”
Conhecido pela sua obra plástica, que se caracteriza essencialmente pela expressão de uma preocupação crítica face a determinados aspetos ou situações do mundo atual, Carlos No regressou na passada quinta-feira a Caldas da Rainha para inaugurar mais uma exposição individual, composta por uma escultura-instalação concebida especialmente para a sala de exposições temporárias do museu.
Segundo o artista, “o que aconteceu aqui também aconteceu quando em 2005 expus no Centro de Artes, em que elaborei uma peça exclusivamente para o espaço”.
Nesse sentido, a “Impasse”, que é composta por um monobloco feito com chapas metálicas que atravessa diagonalmente a sala, procura recriar os tapumes ou as barreiras de metal, que são utilizados muitas vezes na construção civil, onde não é possível ver o interior. Além disso, numa das extremidades da peça, Carlos No optou por colocar um colchão, que “nos remete para a ideia de casa ou habitação”.
Esta “antítese”, que serviu de mote para a elaboração da peça, pretende evidenciar a miséria, que se tornou parte integrante de um tecido social urbano das sociedades contemporâneas, como a habitação precária associada às condições de pobreza, bem como alertar para “a nova escravatura laboral, que todos os dias chega a mim de forma mediatizada”. Igualmente alude às más condições de trabalho e de alojamento de milhões de trabalhadores em todo o mundo, sujeitos a desumanas e precárias condições laborais e habitacionais.
Carlos No sublinhou querer que esta escultura-instalação “tenha força estética e que valha por si própria”. Ao mesmo pretende que a peça suscite a cada uma das pessoas uma reflexão individual.
Presente na inauguração esteve a vereadora da cultura, Maria da Conceição Pereira, que sublinhou que a obra “reflete uma das problemáticas da sociedade atual, e cabe também à cultura chamar a atenção para isso”. Já o diretor do Museu Malhoa, Carlos Coutinho, referiu que “a peça tem como intenção obrigar as pessoas a refletir sobre as questões sociais e as discrepâncias a que assistimos quotidianamente”.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar