Login  Recuperar
Password
  18 de Junho de 2018
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Sociedade, Caldas da Rainha
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Agrupamento D. João II apoia encarregados de educação na transição dos seus filhos para o 5º ano

A transição do 1º ciclo para o 5º ano é vivida pela maioria das crianças de nove ou dez anos com muitas dúvidas, receios e angústias. Também os pais ficam ansiosos quando se aproxima o momento de transição. Com o objetivo de ajudar a apoiar a transição dos alunos para o 5º ano, as psicólogas do Agrupamento de Escolas D. João II, Susana Nogueira e Patrícia Barros, realizaram uma conferência no passado dia 7 para os encarregados de educação, no âmbito do “Dia do Agrupamento”. O auditório da escola D. João II encheu para esta iniciativa que pretendeu sensibilizar os encarregados de educação para a importância de “acompanharem a vida escolar dos filhos, contactando regularmente o diretor de turma, participando nas iniciativas, reuniões promovidas pela escola, conhecendo os recursos e serviço disponíveis”.

13-06-2018 | Marlene Sousa

O auditório da escola D. João II encheu com esta iniciativa
O auditório da escola D. João II encheu com esta iniciativa
“Fizemos pela primeira vez esta iniciativa porque considerámos que é um tema que também preocupa os pais”, disse a psicóloga Susana Nogueira, adiantando que consideraram este assunto uma das prioridades com o objetivo de dar “apoio aos pais porque eles são elementos fundamentais para depois ajudarem na transição dos filhos”.
Segundo esta responsável, a maioria dos jovens tem mais dificuldade na adaptação à nova escola que de uma forma geral, “é maior do que a primária, o número de professores e de disciplinas aumenta, existe um menor suporte emocional da parte dos professores, porque o tempo de contacto de cada um com os alunos diminui, e o método de ensino muda”. “A estrutura escolar torna-se mais complexa, as regras são diferentes e as crianças têm que ser mais autónomas, portanto, os pais devem, por isso, transmitir à criança segurança e tranquilidade relativamente a esta nova etapa de vida”, acrescentou.
Susana Nogueira aconselhou os encarregados de educação a fazerem uma equipa com a escola, sublinhando que “o envolvimento dos encarregados de educação e a comunicação entre eles e escola é absolutamente fulcral”.
A psicóloga Patrícia Barros desafiou mesmo os pais presentes a “irem à escola falar com o diretor de turma sobre coisas positivas, dando também sugestões porque a ida ao estabelecimento de ensino não precisa de ser somente sobre o mau comportamento ou sobre a dificuldade na aprendizagem”.
Patrícia Barros também alertou os encarregados de educação sobre a ansiedade que muitos alunos vivem por causa das notas, que por vezes se torna “excessiva, tendo de recorrer ao hospital”. “O mais importante é que o filho aprenda a gostar de estudar e se sinta valorizado pela sua prática”, afirmou, adiantando que “os pais devem dar prioridade ao trabalho e ao esforço que os filhos desenvolvem e, só depois, às notas escolares”. Aconselhou os encarregados de educação a “mostrarem aos filhos que são capazes, em vez de exigirem resultados elevados que se podem tornar prejudicais para a aprendizagem”.
De acordo com a psicóloga, para “ajudar os jovens no estudo é importante que em casa sejam asseguradas condições favoráveis para que estes possam trabalhar com qualidade todos os dias”.
Patrícia Barros exemplificou com a pirâmide de aprendizagem de Willima Glasser, onde aprendemos 10% a ler, 20% a escutar, 30% a ver, 50% a ver e escutar, 70% quando discutimos com outros (conversar, perguntar, repetir, entre outros), 80% a escrever, interpretar, traduzir, expressar e revisar, e 95% quando ensinamos aos outros (explicar, resumir, elaborar e ilustrar).

Disciplina de TIC no 5º ano no próximo ano letivo

A disciplina de tecnologia da informação e comunicação (TIC) vai passar a ser lecionada em todas as escolas públicas no 5º ano de escolaridade a partir do próximo ano letivo. As aulas de TIC deverão ocupar pelo menos uma hora semanal.
Outra mudança na legislação para o próximo ano letivo é, segundo Susana Nogueira, a forma de trabalhar do conselho de turma, com destaque para a área de projeto. “O intuito é serem os próprios alunos, a escolher dentro dos temas que lhes interessam mais, dentro da área que fazem parte do programa e trabalharem esses temas e a procurar uma maior dinâmica, indo ao encontro das necessidades do quotidiano”, explicou a psicóloga.
Vão fazer parte da atividade letiva da Escola D. João II a robótica e a dança. A legislação prevê, ainda, um maior ênfase na área da cidadania e desenvolvimento.
A proposta do 5º ano de escolaridade para o próximo ano letivo será português, inglês, história e geografia de Portugal, matemática, ciências naturais, educação visual, educação tecnológica, educação musical, educação física, cidadania e desenvolvimento, TIC, robótica, dança e apoio ao estudo. Haverá ainda os diferentes clubes e atividades extracurriculares.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar