Login  Recuperar
Password
  23 de Outubro de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Escolhas do Editor, Regional
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Médico rejeita ter havido má conduta em morte de idosa no hospital de Peniche

O tribunal de Peniche começou nesta terça-feira a julgar um médico que responde por morte negligente de uma idosa de 79 anos, quando o clínico se encontrava em serviço na urgência do hospital daquela cidade, a 5 de janeiro de 2015. O arguido rejeitou a acusação e manifestou que “não há nada que eu tenha feito que me possa ser imputada uma má conduta”.

30-09-2020 | Francisco Gomes

O médico com o seu advogado, à entrada do tribunal de Peniche
[+] Fotos
O médico com o seu advogado, à entrada do tribunal de Peniche
Maria Domicília Santos deu entrada de manhã no serviço de urgência. Botelho de Sousa, atualmente com 72 anos, foi o médico que a observou.
A idosa, que residia em Geraldes, no concelho de Peniche, era reformada do comércio de produtos alimentares e queixava-se de fortes dores no peito, que a afetavam nas costas, no ouvido e na cabeça.
Foi atendida pelas 9h51 pelo médico, que às 10h41 pediu um raio-x (RX) torácico. Pelas 11h16, o médico observou o resultado do exame e "concluiu não haver lesões", afastando a "hipótese de enfarte do miocárdio".
A acusação sustenta que era visível um "alargamento do mediatismo superior", o que "impunha a realização de uma TAC [Tomografia Axial Computorizada]" na urgência das Caldas da Rainha, por não haver TAC em Peniche, e, a confirmar-se o diagnóstico, ser sujeita a intervenção cirúrgica.
O clínico explicou que deu sedativos para as dores, pediu exames complementares e que a vítima foi mantida em observação na urgência de Peniche e somente ao final da tarde é que houve a decisão de ser transferida para Caldas da Rainha para efetuar a TAC. Só que antes do seu transporte, Maria Domicília Santos morreu, vítima de "tamponamento cardíaco [rutura de uma veia do coração] decorrente de aneurisma coronário".
A família da idosa queixou-se de alegada negligência médica, por entender que foi decidido tardiamente realizar um exame que lhe poderia ter salvo a vida.
“Se não existem recursos no hospital à altura de tratar de um problema com sintomas desta natureza, o médico devia enviá-la para uma unidade onde houvesse, mas isso devia ter acontecido logo durante a manhã, pelo que achamos que mais alguma coisa devia ter sido feita”, contestou, antes do julgamento, Maria Teresa, uma das filhas.
“Quando levei a minha mãe ao hospital de Peniche o meu objetivo era que se não existissem ali os recursos, o médico faria uma avaliação e iria enviá-la, possivelmente, para um hospital em que houvesse”, sublinhou.
Maria Eunice, outra filha, defendeu que “logo que a minha mãe entrou no hospital deviam ter visto aquela dor e no máximo uma hora depois ela devia sair para outro hospital”.
A Inspeção-Geral de Atividades em Saúde entendeu não ser possível atribuir responsabilidades ao profissional de saúde e o processo disciplinar levantado pela Ordem dos Médicos foi arquivado. Em fase de inquérito o tribunal de Peniche arquivou o processo, mas o Tribunal da Relação de Lisboa reabriu-o.
Na primeira sessão do julgamento, o médico invocou não ser “inexperiente” e ter “48 anos de prática clínica”, ao longo dos quais viu “milhares de doentes” sem que tivesse qualquer processo em tribunal. O desfecho fatal constituiu “uma surpresa”, decorrente um “tamponamento fulminante”, isto é, “doença súbita praticamente difícil de diagnosticar”.
O processo tem várias sessões agendadas para inquirição de testemunhas, entre as quais médicos e enfermeiros, que foram distribuídos por audiências em outubro e novembro. A juíza titular admitiu a possibilidade das alegações finais serem produzidas a 19 de novembro.
O médico, que vive no concelho do Bombarral, está aposentado, mas continua a exercer noutras unidades de saúde, através de uma empresa privada. Contudo, deixou de desempenhar funções no hospital de Peniche.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar