Login  Recuperar
Password
  27 de Setembro de 2021
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Economia, Caldas da Rainha
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Novo Hospital Montepio Rainha D. Leonor pode ser uma realidade no início de 2023

Marques Pereira, presidente do Montepio Rainha D. Leonor e que encabeça a lista A, assumiu na passada segunda-feira, em conferência de imprensa, que o novo hospital nas Caldas poderá ser uma realidade no início do ano de 2023, num investimento superior a 6 milhões de euros, caso continue à frente desta instituição centenária. Quem já está a trabalhar no projeto e fará o investimento nas obras e equipamento é o grupo Sanfil, de Coimbra, que deverá ser o parceiro no negócio.

09-03-2021 | Marlene Sousa

Carlos Querido, Marques Pereira e Paulo Sousa são candidatos, respetivamente, à Assembleia Geral, Conselho de Administração e Conselho Fiscal
[+] Fotos
Carlos Querido, Marques Pereira e Paulo Sousa são candidatos, respetivamente, à Assembleia Geral, Conselho de Administração e Conselho Fiscal
“O Montepio não tinha capacidade financeira nem escala técnica para se balançar sozinho a um projeto destes, daí o desafio ao parceiro para desenvolver o Hospital Rainha D. Leonor, criando assim o melhor hospital privado da região”, explicou Marques Pereira.
Garante que o edifício que pertencia à EDP, comprado pela associação por 1,5 milhões de euros, “pertencerá sempre ao Montepio”.
Apontou ainda que foi negociado com o grupo Sanfil “preservar os benefícios dos sócios e os direitos dos funcionários da Casa de Saúde”.
O novo hospital terá 52 camas de internamento em enfermarias e quartos individuais, bloco operatório (3/4 salas), imagiologia, fisioterapia, consultas externas com todas as especialidades médicas, serviços de atendimento permanente, gastrenterologia, cardiologia, farmácia, cafetaria/refeitório com esplanada, hemodiálise (20 postos),180 lugares de estacionamento e novo acesso de veículos ao hospital. O edifício será ampliado.
“Este parceiro garante-nos qualidade e dimensão com equipamentos de última geração, focados na saúde e na recuperação total dos seus utilizadores”, afirmou Marques Pereira.
“O Grupo Sanfil é o que a nível nacional mais cirurgias faz para o Serviço Nacional de Saúde. Fechou o ano de 2019 com cerca de 20 mil cirurgias para o Serviço Nacional de Saúde”, adiantou.
O responsável afirmou que o projeto está adiantado”, mas ainda não assinaram o acordo. Revelou que para avançarem nas negociações é necessário ver aprovado junto dos sócios, em Assembleia Geral, a marcar depois das eleições.
Marques Pereira salientou que se a lista opositora ganhar “poderá colocar em causa a parceria com o grupo Sanfil e a criação do novo hospital”. No entanto, afirma que caso o plano seja interrompido “neste momento não há nenhuma indeminização que tenha que ser paga”.

“Novo parceiro irá colaborar na gestão da Casa da Saúde”

O presidente do Montepio referiu que a Casa da Saúde continua a dar prejuízo financeiro, mas “logo que seja assinado o contrato, o novo parceiro irá colaborar, nomeadamente trazendo clínicos e valências para compensar as falhas na oferta, otimizando também o bloco operatório”.
Depois da criação do novo hospital, o Montepio Rainha D. Leonor irá concentrar-se em outras iniciativas que são mais a sua vocação, nomeadamente residências assistidas. A pensar na expansão do Montepio, foi adquirido junto ao edifício antigo da EDP um terreno onde a lista A prevê criar residências assistidas.
Nas atuais instalações o intuito é “requalificar e criar serviços de saúde de qualidade não abrangidos pelo novo hospital, na área dos cuidados continuados, saúde mental, fisioterapia, termalismo, entre outros”.
Há também um projeto para a criação do museu do Montepio, na parte antiga das atuais instalações, uma vez que a instituição tem um acervo histórico digno de ser cuidado e guardado, recordando assim a história de uma associação mutualista com 160 anos.
Os elementos da lista A pretendem ainda terminar todas as obras em curso, garantir um equilíbrio financeiro na Casa da Saúde, dar início a uma nova era de comunicação com os sócios e com funcionários, através da criação de um Gabinete do Sócio.
O líder da lista A afirmou que “estamos disponíveis para discutir ideias e unir esforços em benefício do Montepio, mas tal não é possível quando se tentam lançar constantemente calúnias e ataques a pessoas”. Apela à participação no ato eleitoral que se aproxima, mas “também nos momentos cruciais que se avizinham para decidir sobre os projetos pendentes que são essenciais para o futuro da instituição”.
Paulo Sousa, candidato a presidente do Conselho Fiscal, disse que pela primeira vez na história do Montepio foi feito um estudo diagnóstico de toda a situação dinâmica da instituição. “Foi o que eu chamo uma auditoria interna, em que permitiu apontar situações concretas no sentido de melhorar em prol do utente”, contou.
O estudo teve como base o acervo documental da instituição, mas também 450 inquéritos no qual foram consultados os colaboradores do Montepio e os utentes nacionais e estrangeiros.

“Projeto de novo hospital foi arduamente negociado”

Carlos Querido, candidato a presidente da Mesa da Assembleia Geral pela lista A, disse que a conferência de imprensa pretendeu “recentrar o debate”, recordando que a atual administração do Montepio “percorreu um longo caminho para apresentar hoje o projeto do futuro”. “Foram rejeitados dois parceiros potenciais por se considerar que as suas propostas não garantiam o superior interesse da instituição”, afirmou.
O novo hospital com um “parceiro de prestígio nacional com o nome do Montepio Rainha D. Leonor, é um projeto que urge e não pode parar”, declarou.
Foram ainda revelados nesta sessão os nomes da comissão de honra que acompanham a lista A nos seus projetos, cientes do “peso que o Montepio tem na comunidade”.
No final da conferência de imprensa houve uma visita às futuras instalações do hospital.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar