Login  Recuperar
Password
  18 de Janeiro de 2022
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Google Plus Siga a nossa página Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Picasa Siga-nos no YouTube Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Sociedade, Caldas da Rainha
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Venha ver os novos miúdos do Jardim Zoológico antes que eles cresçam

18-08-2011 |

Venha ver os novos miúdos do Jardim Zoológico antes que eles cresçam
Venha ver os novos miúdos do Jardim Zoológico antes que eles cresçam
Só em 2010 nasceram, no Jardim Zoológico, 113 animais de 47 espécies diferentes   O Jardim Zoológico tem uma parceria com o JORNAL DAS CALDAS e a Região da Nazaré para promoção das novas crias do Zoo de Lisboa. A campanha intitulada “Em pequenos são sempre mais giros” tem como objectivo convidar as famílias a conhecer a nova cria de rinoceronte-branco e os três novos tigres-brancos que nasceram este ano no parque. A campanha “Venha ver os novos miúdos do Jardim Zoológico antes que eles cresçam” é a forma que os responsáveis pelo Zoo arranjaram para celebrar o nascimento das novas crias. O Jornal das Caldas e a Região da Nazaré tem vindo a oferecer bilhetes para o Jardim Zoológico. Convidam todos os amantes dos animais e curiosos a visitar estes “novos miúdos” e ficar, assim, a conhecer melhor as suas características e particularidades e ainda divertir-se com a sua beleza particular. O bilhete permite ainda ao visitante assistir a uma série de apresentações e actividades que possibilitam um contacto mais próximo com os animais – aves em voo livre, golfinhos, reptilário, quintinha, alimentação dos leões-marinhos e apresentação dos répteis. O Jardim Zoológico está situado no centro da cidade, próximo do aeroporto e num local de fácil acesso. De Caldas da Rainha ao Zoo de Lisboa é menos de uma hora e para quem prefere ir de transportes públicos o parque é servido de uma boa rede. A principal missão do Jardim Zoológico é desenvolver um parque, tanto zoológico como botânico, como um centro de conservação, reprodução e reintrodução de espécies em vias de extinção, através da investigação científica e de programas de enriquecimento ambiental. Aliados a estes factores está a vertente pedagógica e lúdica. O Jardim Zoológico foi o primeiro parque com fauna e flora da Península Ibérica e, actualmente, acolhe cerca de 2000 animais pertencentes a cerca de 360 espécies. A 28 de Maio de 2011, o Jardim Zoológico celebrará 127 anos. Segundo o comunicado de imprensa enviado pelo departamento de marketing, o Jardim Zoológico começou o ano de 2011 em festa, com o nascimento de uma nova cria de Rinoceronte-branco com cerca de 50 quilos. O pai tem cerca de 24 anos e a mãe cerca de 9 anos. O nascimento desta cria vem reforçar o compromisso e o desempenho do Jardim Zoológico na conservação das espécies, fortalecendo o seu índice de reprodução, um dos mais elevados da Europa. Segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza, esta é uma espécie em perigo, muito ameaçada pela caça para o comércio do corno e pela destruição do habitat. “O Jardim Zoológico orgulha-se ainda de ter desenvolvido uma estratégia de conservação do Rinoceronte-de-bornéu, conduzindo um técnico do Zoo à ilha de Bornéu, no âmbito do projecto de conservação in-situ (no habitat natural) da Fundação SOS-Rhino (inserida na campanha da EAZA 2005/2006 dedicada aos rinocerontes)”, diz o press release. O Rinoceronte-de-bornéu é uma subespécie do Rinoceronte-da-sumatra e é o mais pequeno do mundo. É também uma das espécies de grandes mamíferos mais ameaçados, com uma população de menos de 100 indivíduos (estima-se que existam apenas cerca de 30 animais em estado selvagem, todos na Ilha de Bornéu). O comunicado salienta ainda, a reintrodução de uma fêmea de Rinoceronte-preto, a Shibula, numa reserva protegida na África do Sul em 1990. Hoje, a Shibula tem várias crias e subsiste em terras africanas, no seu habitat natural.   Rinoceronte-branco   O Rinoceronte-branco é pacato e inofensivo e é, depois do elefante, o maior mamífero terrestre, atingindo cerca de 2 metros de altura, 4 metros de comprimento e 4 toneladas de peso. Possui dois chifres na região frontal da cabeça, o maior dos quais na zona anterior e que pode atingir 1,5 metros de comprimento. Geralmente os cornos das fêmeas são menores que os dos machos. São conhecidos pela sua fraca visão, mas reagem a qualquer ruído ou odor que não lhes seja familiar, porque a sua audição e olfacto são muito apurados. O Rinoceronte-branco habita nas zonas descampadas e planas da África, sobretudo em savanas, entre o rio Orange (África do Sul) e o rio Zambeze (entre o Zimbabwe e a Zâmbia), no Noroeste do Uganda, no Sul do Sudão e no Nordeste da República Democrática do Congo (ex-Zaire). Contudo, devido à exploração agressiva de minérios em África, esse habitat tem vindo a desaparecer, colocando em risco a sobrevivência da espécie. A sua conservação não é possível actualmente fora de áreas protegidas. Neste momento deverão existir apenas cerca de 3500 indivíduos em estado selvagem.   Três novos Tigres-brancos no Jardim Zoológico   Três Tigres-brancos nasceram pela primeira vez no Jardim Zoológico e já estão a fazer as delícias dos visitantes. São duas fêmeas e um macho e são dos animais mais raros e admirados da natureza. Segundo o press release, “estima-se que existam apenas entre 100 e 130 tigres-brancos no planeta e todos eles se encontram sob cuidados humanos. “Em Portugal, com o nascimento destas novas crias, podemos agora desfrutar de cinco Tigres-brancos que vivem no Jardim Zoológico!”, diz o comunicado, acrescentando que “este acontecimento é mais um reforço do compromisso que o Jardim Zoológico imprime no desempenho diário da conservação das espécies, aumentando o índice de reprodução que já é um dos mais elevados da Europa. Só em 2010 nasceram, no Jardim Zoológico, 113 animais de 47 espécies diferentes”. No entanto, os Tigres-brancos não são albinos, nem uma subespécie de tigres, mas sim o resultado da expressão de um gene recessivo, quando ambos os progenitores são portadores do gene responsável pela cor clara da pelagem. A sua coloração é mais intensa no Inverno, como uma adaptação ao frio, fazendo sobressair os olhos azuis, o nariz rosado e o fundo branco cremoso com listas castanhas. Esta é, então, a altura ideal para vir conhecer os mais recentes moradores do Jardim Zoológico. O período de gestação dos Tigres-brancos é de 102 a 112 dias, após os quais nascem geralmente duas a três crias. Os filhotes são amamentados por três a seis meses e acompanham a mãe durante dois a três anos, aprendendo as técnicas de caça necessárias à sua sobrevivência futura como adultos solitários. Devido à sua pelagem de cor branca, que não lhe confere a camuflagem adequada à sua sobrevivência no estado selvagem, os Tigres-brancos foram, durante séculos, alvo da caça furtiva que levou à sua extinção na natureza. Os Tigres-brancos são mais activos no crepúsculo e durante a noite. Caçam por emboscada e dependem mais da visão e da audição do que do olfacto. São solitários (excepto durante a época de acasalamento) e territoriais. A cor clara da pelagem não é concordante com a estratégia de caça por emboscada, que assenta na camuflagem, e compromete a sobrevivência destes animais no estado selvagem a ponto de, actualmente, só existirem sob cuidados humanos desenvolvendo hábitos próprios dessa condição. Os Tigres macho podem, em média, medir 2,50 m, ter 90 cm de altura e pesar mais de 200 kg. As fêmeas são ligeiramente mais pequenas e leves. Os tigres podem viver cerca de 20 anos, embora em cativeiro e com bons cuidados alimentares possam viver um pouco mais.   Apadrinhar um animal   O Jardim Zoológico de Lisboa continua a precisar de ajuda para manter a preservação do parque e para cuidar dos animais. Portanto apela ao apadrinhamento de um dos 2000 animais do Zoo. “Estará a contribuir para a alimentação e maneio do animal escolhido, mas acima de tudo estará a contribuir para um projecto mundial de conservação”, diz o comunicado, acrescentando que “actualmente, os Zoos cooperam entre si e a sua actividade é bastante variada, tendo sempre em vista a conservação da Biodiversidade do nosso planeta”. “Graças a este trabalho, muitos animais já foram reintroduzidos na Natureza, em regiões onde tinham sido dados como extintos”. Além de receberem um diploma de padrinho e o BI do afilhado, os padrinhos terão ainda uma série de vantagens no Jardim Zoológico: Nome na pérgola dos Padrinhos, na avenida principal do Jardim Zoológico;15% de desconto no bilhete de entrada;10% de desconto na inscrição do ATL (Actividades de Tempos Livres); 10% de desconto nas festas de aniversário; 20% de desconto nas lojas oficiais do Jardim Zoológico e de muitas outras surpresas ao longo ano. O Zoo de Lisboa está aberto todos os dias das 10h00 às 20h00.   Marlene Sousa    
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Booking.com
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar